• 28 maio 2009
  • Postado por Tiago

Não pode ficar calado

O secretário de Estado da Saúde, Dado Cherem (PSDB), diz que não pode ficar calado frente às agressões do prefeito Edson Periquito (PMDB), de Balneário Camboriú. “Tenho um nome a zelar, respeitado em todo Estado de Santa Catarina”, discursa o tucano.

Agressões levianas

Dado afirma que foram agressões levianas à sua pessoa, ao ex-prefeito Rubens Spernau, e ao vice-governador Leonel Pavan, taxando-os de vermes e parasitas. “Desafio você a apontar alguma agressão verbal gratuita que tenha partido da minha pessoa. Não é meu estilo. Mas sempre que for agredido vou me defender, não importa onde”, lasca Cherem.

Disposto a colaborar

Dado Cherem diz ainda que não se trata de prepotência quando cita que estendeu a mão quando foi preciso e se diz disposto a colaborar com a administração sempre que possível. “Desde que haja respeito de ambas as partes. Se fiz, faço e continuarei fazendo algo pela região, tenho a consciência de que não é mais do que minha obrigação”, completa.

Não foi a chique

A secretária de Desenvolvimento Social, Rosane Casas, explicou que quem vetou a verba da APAE foi o Conselho Municipal de Desenvolvimento Social, que é presidido pela Danielle, assistente social que trampa na secretaria da Criança e do Adolescente. “Não tenho como vetar ou cortar a verba da entidade”, explica Rosane.

Defende a APAE

A chefona do Desenvolvimento Social afirma que se coloca do lado da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais e que, mesmo não podendo dar um pio no Conselho, falou, na tampa, pra Danielle Cardoso Sobreira, que era contra e ponderou que qualquer tipo de corte deveria ser feito no fim do ano. “Apesar de não ter direito a voto, me manifestei contrária à diminuição do repasse”, lasca a chique Rosane.

Mixaria de verbas

Danielle afirma que a APAE e outras entidades estavam buscando mais recursos e que não teria acontecido corte de verbas. “Infelizmente, os valores que dispomos são pequenos e têm mais entidades para serem atendidas”, explica a presidente do Conselho. “Contudo, a APAE recebeu uma boa parcela de recursos”, debulha Danielle.

Não mira do busão

Enquanto o vereador Laudelino Lamim (PMDB) alardeia aos quatro cantos de Itajaí que tá arrecadando assinaturas pra derrubar o monopólio da empresa Coletivo Itajaí, o seu colega de parlamento, a eterna locomotiva do society, Renato Ribas (PSDB), quer dar um jeito no escapamento dos busos. Não é fácil…

Spray de pimenta (uuuiii!!!)

Renato Ribas, que é policial de carreira e esteve por quinhentos anos à frente da Delegacia Regional, defende com unhas e dentes a criação da guarda municipal armada. O ‘RR society’, garante que não precisa ser necessariamente com arma de fogo, mas com aquelas geringonças que dão choque, e tubos do sacana spray de pimenta.

Arma na cara!

O ex-prefeito barbudinho Volnei Morastoni (PT) teve a mesma ideia e trouxe um coronel da reserva que cuidou até de presidente da república. O militar, ao saber que as excelências tavam reticentes, disse que “a hora que o vereador tiver uma arma apontada pra sua cara vai se arrepender de não ter aprovado a lei”. A incontinência verbal bateu na espinha do gorducho Luiz Carlos Pissetti (DEM), que tinha à época sofrido um violento assalto. O projeto empacou e acabou não vingando.

Faz pensar

“Chega de crime! Vamos desarmar esse pessoal!”, assim definiu seu voto o vereador do Vassourão, Elói Camilo da Costa (PMDB), contrário ao projeto da guarda de Renato Ribas. Elói se declarou contrário porque acredita que violência só traz violência. O veião faz pensar…

Sigam-me os bons…

O secretário para assuntos institucionais que até já ganhou uma sala no paço da Vila Operária, Rogério Nassif Ribas (PP), segue o exemplo do ex-prefeito bigodudo Amílcar Gazaniga, que declarou que quando tava no paço, optou pelo salário da Celesc e não de burgomestre. Nassif também optou pelo pagamento da empresa de Força&Luz.

Nunca na história de Itajaí…

É aguardada pra noite de hoje a presença do secretário de Administração, Marcos Emilio, que será sabatinado pelas excelências excelentíssimas do ex-aquário peixeiro. O homi vai explicar tudinho e mais um pouco (pelo menos é o que se espera) sobre a bandalheira das empreiteiras que vêm manchando o governo da República do Itamirim.

Novela sem fim…

O pau pega e continua a render: o vereador Paulinho Amândio (PDT), em entrevista ao Renato Sandrini, na rádio Luz da Amanhã, disparou que andaram lhe chamando de Partido das Empreiteiras, “mas estou vendo nos jornais que o Partido das Empreiteiras é o PP!”. Paulinho reclamou ainda que é do PDT e que ninguém apareceu para defendê-lo dos petardos do pessoal da situação.

Pra alembrar:

“Todo mundo ganha? A Kaby Empreiteira vai limpar 41 Centros de Educação Infantil de Itajaí, pela bagatela de R$ 207.460, e a Argolo Empreiteira vai, também, dar uma bela garibada em 33 escolas municipais peixeiras pelo valor de R$ 214.500. As contratações, ‘devido à urgência da situação’ foram feitas com dispensa de licitação. E assim caminha a humanidade…” Tópico da coluna de 23 de fevereiro.

  •  
  • Categorias: JC

Deixe uma Resposta