• Postado por Tiago

“Depois que o STF (Supremo Tribunal Federal) votou contra a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista no Brasil, os ânimos, principalmente dos acadêmicos de jornalismo, ficaram acirrados. Um dos argumentos dos ministros que votaram contra a exigência do canudo foi justamente a defesa da liberdade de expressão.

Nesse sentido, separei algumas frases dos meus contatos do MSN (rede de relacionamento pela Internet), que expressam a opinião e os sentimentos dos meus colegas. Dos alunos de jornalismo são:

– E agora, vamos estudar para quê?

– Agora o jornalismo é a solução para o desemprego no Brasil!

– É meus amigos, mais essa do STF.

– Decisão do STF é a alegria dos “oreias” de plantão que não se interessam na qualidade da informação!

– Oito ministros foram responsáveis por desrespeitar uma categoria com 80 mil profissionais no Brasil!

De colegas recém formados:

– Órfão de diploma, mas não da ideologia, a luta continua!

– STF, bando de corruptos!

Essa é de autoria de uma profissional da área e também professora: “Nesse momento não tenho vergonha de ser jornalista, tenho vergonha de ser brasileira!”.

Há algumas frases mais agressivas como: “Jornalista com diploma, sim! STF o Diabo!”

Esse comentário partiu de uma aluna. Porém ela atua na área como repórter de tevê há vários anos: “Tem gente indignada porque não tem competência. Desculpa aí, mas jornalismo é dom!”

Também peguei uma frase de um amigo jornalista, claro, não diplomado: “Quem foi que disse que diploma é sinônimo de qualidade? Dá pra contar nos dedos… de uma mão só…”

E, finalmente, a minha frasezinha do MSN: Para o STF, diploma é apenas um detalhe…

Prefiro acreditar desta forma, pois em minha opinião o que diferencia o bom jornalista dos demais é a competência e experiência na área em que ele atua, e não o diploma. Claro que a faculdade é importante para adquirir conhecimento e regras básicas do jornalismo, que contribuirão de forma significativa para o futuro profissional do acadêmico, independente desse aluno ter seu diploma reconhecido ou não.

Por outro lado, fico pensando no que seria de nós (nisso posso me incluir), estagiários, se não fossem os jornalistas antigos – e muitos sem diploma – para revisar nossos textos, ajudar na edição das matérias, enfim, dar suporte aos recém chegados ao mercado de trabalho. Assim, atribuir adjetivos aos profissionais não formados é radicalizar. Penso que não é por aí.

Mas de certa forma fico triste pela decisão do STF, pois sem a regulamentação da profissão só enfraquece a classe dos jornalistas, diplomados ou não.”

Ass: João Pires de Almeida Jr., acadêmico do 4º ano de Jornalismo Unigran, Dourados/MS

(Transcrito ipsis litteris)

  •  

2 Respostas to “Jornalismo: diploma é sinônimo de competência?”

  1. redacao Diz:

    Uma pergunta: QUEM VAI ME INDENIZAR POR TODOS ESTES ANOS DE SACRIFÍCIO PARA MANTER MINHA FILHA NUMA FACULDADE PARA SER UMA BOA PROFISSIONAL?
    Minha filha muito lutou e se sacrificou também para conseguir seu diploma… Que raios de decisão é esta que põe por terra o valor da formação acadêmica?
    Sinceramente, estou não só indignada, (pois neste país já é normal ficar), ultrajada, lesada, mas revoltada com o abuso de quem deveria criar leis para o bem comum e do país e não para os interesses de alguns!
    Peço humildemente: não deixe que eu seja “apenas uma voz” quando podemos ser “um coral”. Não deixe que minhas críticas sejam interpretadas apenas como o desabafo de uma mãe histérica.
    Neste site, http://www.stf.jus.br , que é do STF, à direita, logo no início da página, há um link: “Central do Cidadão”, lá você terá a oportunidade expor seus pensamentos….não deixe para depois, faça já!
    Se sentirem-se ameaçados de alguma forma, façam o que todo brasileiro consciente deveria fazer: não deixem o desrespeito, abuso de autoridade e impunidade, perdurarem por mais tempo; GRITE, demonstre sua opinião, reivindique seus direitos!
    CREIA: NÃO É HISTERIA E NEM ESTOU “DANDO MURRO EM PONTA DE FACA”; o que seria uma interpretação mais cômoda; é a NOSSA REALIDADE… E vai piorar se não nos fizermos ouvir.
    Coma falta de uma formação especializada, povo vai ficando cada vez menos informado e alienado.
    O negócio é “dar o pão”(“Bolsa Família,disso e daquilo) e não “ensinar a fazer a massa”!
    E viva a ignorância!

  2. redacao Diz:

    Em tempo:
    “…. é o resultado de uma demanda do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Estado de São Paulo.Não vem da sociedade civil nem dos (ex) profissionais da categoria”…(Claúdia da Siervi-Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina)
    Ainda em tempo:
    “Com a decisão do STF, agora qualquer um pode montar um jornal e escrever… e cada vez mais jornalistas receberão pouco por seu trabalho, infelizmente. A sociedade perde, os jornalistas perdem. Pois se não é o diploma que dá ética e responsabilidade aos profissionais, é o curso que ensina teorias e práticas de um jornalismo com a MENOR PARCIALIDADE possível. É o curso que começa a selecionar quem realmente gosta da profissão. É o curso que alerta para a importância da ética, do cuidado com as fontes e a necessidade de levar os vários lados de uma história para que o leitor possa tirar suas próprias conclusões.Se não precisa de diploma para ser jornalista, que acabem com a exigência do diploma dos outros cursos também!” (Desabafo de uma acadêmica de jornalismo)! E creia…isto já está acontecendo…

Deixe uma Resposta