• Postado por Tiago

O juiz Luiz Antônio Fornerolli, da vara da fazenda pública da capital, barrou ontem o pagamento da árvore de Natal milionária que foi montada na avenida Beira-mar Norte, na capital manezinha. O dotô caneteou embaixo do pedido de liminar feito pelo vereador João Amin (PP), numa ação popular.

Pro vereador, o fato da prefa ter realocado recursos da secretaria de Obras pra colocar em prática os festejos de final de ano e não ter realizado licitação pra fazer a festança é uma baita farra com grana pública.

Achando pouco barrar o pagamento, o dotô mandou seqüestrar R$ 2,1 milhões da conta da Palco Sul pra dar garantias de que o município terá de volta o que já pagou pela montagem da árvore. Caso a empresa não tenha mais a grana na conta, Fornerolli mandou brecar os bens da Palcosul como garantia.

O Ministério Público Estadual também pra dona justa analisar o caso porque, além da prefa não ter feito licitação pra contratar a Palcosul, a empresa contratada terceirizou o serviço por R$ 2 milhões a menos do que receberia pra colocar em prática o projeto.

E agora?

Antes de saber da decisão do juiz Fornerolli, o secretário Municipal de Turismo da manezada, Mário Cavallazzi havia dito que o valor da árvore não era absurdo e que poderia ter custado muito mais caro se ele tivesse optado por contratar o serviço do mago das vinhetas da Globo, Hans Donner.

Cavallazzi disse que o MP não sabe fazer contas e nem analisar a papelada que foi encaminhada pra eles. Garante que a Palcosul poderia ter terceirizado o serviço e que o restante da grana seria usado pra pagar outros eventos previstos pras festividades de final de ano como os shows e estrutura de palco e bastidores . “Eu tenho até dúvidas se a empresa terá algum lucro”, afirma. Depois da decisão do juiz, Cavallazzi não foi mais localizado.

  •  

Deixe uma Resposta