• Postado por Tiago

O tribunal da dona justa catarina lascou um não bem grande ao pedincho de alívio de prisão de um traste, que pagou o aluguel com um cheque roubado, em Balneário Camboriú. Ele foi condenado a um ano e quatro meses de jaula e a pagar uma multa, mas recorreu da decisão.

Há cinco anos, Marco Aurélio Ribeiro, que alugava uma sala comercial na Maravilha do Atlântico, passou o migué no dono do imóvel. Ele pagou o aluguel com cheques que tinham sido surrupiados de dentro de uma loja do centro da city, que foi arrombada.

O dono da sala, Alexandre Kalaiade Vaz, sem saber que os cheques eram roubados, passou as folhinhas pra frente. A treta só foi descoberta depois que uma das pessoas que recebeu a grana tentou trocar os papélis por dindim, no banco.

Marco foi acusado por crime de estelionato e ganhou um ano e quatro meses na gaiola. Ele recorreu da decisão, dizendo que não passou os cheques roubados de propósito. Mas a desculpa não colou pra cima dos desembargadores do TJ.

O relator do processo, dotô Alexandre d`Ivanenko, considerou que o traste sabia muito bem de onde vinham os cheques antes de usá-los pra pagar o aluguel. “(…) Sabia da origem ilícita das folhas de cheque e as repassou com o intuito de produzir prejuízo em benefício próprio”, lascou. Por conta disso, manteve a decisão de deixar o cara guardado atrás das grades.

  •  

Deixe uma Resposta