• Postado por Tiago

A indústria farmacêutica está apostando alto para atrair mais clientes com programas de benefícios e acesso a medicamentos. Por intermédio do médico, o paciente recebe um cartão do laboratório que garante preços especiais na compra do remédio prescrito. O medicamento pode sair de 20% a 55% mais em conta.

Para ter direito ao benefício, é preciso fazer um cadastro pela central de atendimento da empresa, com nome completo, documento de identidade, bem como o nome e registro (CRM) do médico que recomendou o laboratório. Logo em seguida, é informado ao paciente as farmácias credenciadas ao programa. O médico tem que indicar o paciente para os laboratórios.

Foi o que rolou com Carlos André Franco, de 57 anos. O remédio que deve tomar todos os dias para o diabetes, Galvus, não sai por menos de R$140. Um atendente da Farmácia do Sesi, em Itajaí, chamou a atenção dele pra economia que poderia fazer com o médico fazendo o meio de campo com o laboratório. Franco solicitou pro médico, que entrou em contato com o laboratório e agora que recebeu o cartão da Vale Mais Saúde, a caixa do medicamento do laboratório Novarts sai por cerca de cem reais.

Apesar de trazer benefícios ao bolso dos doentes, o programa gera algumas desconfianças quanto aos benefícios que as empresas repassariam aos dotores por cada doente indicado.

Farmácia Popular é boa opção para pagar menos

Para fugir dos altos custos com a saúde, é importante que o paciente compare preços entre as farmácias e peça ao médico a indicação dos genéricos. Vale a pena consultar a lista de remédios que fazem parte do Programa “Aqui tem Farmácia Popular”; vai ver que a diferença no preço pode chegar a mais de 70%. O Atenolol, por exemplo, sai por R$ 0,45. O de marca (Angipress) custa em média R$ 16. Mas nem todos têm genéricos.

Através de convênio com o governo federal, que subsidia grande parte do valor dos medicamentos, as farmácias particulares oferecem ao consumidor remédios a 10% do preço real. Ao todo, são comercializados 280 medicamentos para diabetes, hipertensão e contracepção.

Para ter acesso, basta ter em mãos o receituário médico e a identidade. No saite do Ministério da Saúde, é possível saber quais drogarias fazem parte do programa e a lista dos medicamentos vendidos (http://portal.saude.gov.br). Lá, também há o endereço dos postos fixos da Farmácia Popular que vendem a baixo custo.

  •  

Deixe uma Resposta