• Postado por Tiago

O leitor Djalma Cordeiro levou o mó chá de cadeira na fila do Besc de Itajaí na semana passada. Ele conta que precisava abrir uma conta para se inscrever num projeto cultural do estado e acabou voltando pra casa com o rabinho entre as pernas.

Djalma chegou no Besc, que fica na avenida Marcos Konder, quase em frente ao hospital Marieta Konder Bornhausen, assim que o banco abriu. Saiu de lá depois do meio-dia, fulo da vida porque não conseguiu ser atendido. Nem a senha que Djalma pegou, quando entrou no Besc, ele conseguiu protocolar com os funcionários do banco.

O leitor conta que falou pro gerente do banco que iria processá-los, já que a abertura de sua conta era em caráter de urgência. A ameaça de nada valeu. O gerente não deu bola e ainda lascou que o problema era do cliente.

A culpa é dos sistema

Um funcionário do Besc, que se identificou apenas como Rodrigo, botou que a culpa do perrengue no tal do sistema. “Essa semana o nosso sistema interno oscilou bastante, o que acabou atrasando o atendimento. De imediato nós providenciamos o conserto e já está tudo normalizado”, afirmou.

Saiba como reclamar na Procon

O advogado Rodrigo Bucussi, procurador da Procon, alerta o povão sobre a importância de protocolar a senha de atendimento do banco. “O cliente deve sempre pedir pro funcionário do banco validar a senha na hora do atendimento. Assim, você terá registrado a hora que entrou e que saiu do banco”, explica.

Com a senha em mãos, o cliente deve se dirigir à Procon e formalizar o reclamo. “A senha é a prova de que o banco descumpriu a lei municipal de permanência máxima na fila dos bancos, que é de 20 minutos. Só assim as medidas poderão ser tomadas”, disse Bucussi.

  •  

Deixe uma Resposta