• Postado por Tiago

INTERNA_13__abre-direita_-acidente-poste-caiu-praia-brava_felipe-vt-(10)

Acidentes na Brava são constantes

É fácil flagrar, durante a madruga, a garotada dirigindo embriagada depois de sair das baladas da região. Seu J.B., 48 anos, trabalha à noite na praia Brava e presencia a irresponsabilidade toda vez que rolam noitadas nas boates chiquetosas do bairro, como o Warung e no Kiwi Bar. Para J., tanto a polícia Militar quanto agentes da Codetran deveriam dar mais atenção à juventude transviada.

O leitor diz que é um absurdo o número de jovens que vê caídos no chão, tortos de bêbados e que depois saem de carro dirigindo em altas velôs. ?O pessoal sai bêbado e a polícia não dá nem bola?, critica. J. reclama que dificilmente tem blitz na saída das baladas e que também não vê guardinhas de trânsito no local. Para ele, o jeito seria seguir a lei e prender os jovens bebuns. Só assim, diz, é que os guris vão aprender a não abusar do álcool quando pegarem no volante.

Codetran só até a meia noite

José Alvercino Ferreira, chefão da Codetran, lembra que o órgão trabalha só até a meia noite. O plantão é somente para atender os acidentes de trânsito que ocorrem durante a madruga. As blitzes só podem ser feitas pela Codetran até as 18h. Depois é com a PM.

Polícia admite que falta efetivo

A polícia Militar, através da assessoria de imprensa, admite que faltam policiais para fiscalizar todos os abusos que rolam durante a badalada night peixeira. A policiala Tatiana Maria dos Santos Budik, auxiliar da sessão de comunicação social da PM de Itajaí, diz que somente uma viatura atende ao bairro Fazenda e à praia Brava e os policiais se desdobram para fazer a fiscalização e atender as ocorrências em que são chamados.

Com a operação veraneio o batalhão de Itajaí vai receber o apoio de policiais de outras regiões e com o efetivo reforçado a PM consegue dar uma atenção maior ao policiamento e fiscalização de bêbados aos volantes durante as baladas, afirma a policiala. A PM, também tem uma sessão especializada em operações, como abordagens em casas noturnas e barreiras policiais nos principais pontos de acesso à cidade, informa Tatiana.

  •  

Deixe uma Resposta