• Postado por Tiago

A protetora de animais Renata Narcizo Machado telefonou ontem pro DIARINHO indignada da vida. Ela denunciou que em uma casa na rua Maria Medeiros Siemann, no centro de Itajaí, dois cachorros estariam sendo maltratados. “Às vezes eles tão amarrados num local sem espaço pra se movimentar, às vezes tão soltos e saem pra rua e até em cima do capô do carro eles são colocados”, relatou Renata. Ontem mesmo, fiscais da Famai foram até o local indicado e não encontraram nada do que a leitora afirmou.

Renata disse que eram dois cadelinhos da raça poodle, que possuem casinhas pequenas, sem proteção contra chuva e sereno. “Eu já falei com a dona dos cachorros e ela não fez nada. Hoje de manhã liguei pra Famai, que também nem se importou com a situação”, lascou a leitora.

Denúncia era furada, diz bagrão da Famai

Anderson Furlan, responsável pelo setor de denúncias da Famai, já tava sabendo do caso quando o DIARINHO telefonou pro órgão. O bagrão explicou que não houve falta de interesse, mas sim outras prioridades na frente da denúncia de Renata. “Se o animal estivesse machucado ou sem alimento, nós iríamos de imediato, mas a própria denunciante relatou que esse não era o caso”, argumentou.

Furlan informou que ontem à tarde um fiscal da Famai deu um chego na tal casa onde os cadelinhos eram supostamente maltratados. “O relatório do fiscal diz que a denúncia não procede”, afirmou. O fiscal relatou que os bichinhos ficam em local seguro no período da noite, estão com água e comida à vontade e até de banho tomado.

Anderson faz um alerta ao povão na hora de fazer as denúncias. “A gente pede que a população faça uma espécie de filtragem. Não deixamos de atender, mas hoje cerca de 50% das denúncias de maus tratos que chegam à Famai, não procedem”, disse.

  •  

Deixe uma Resposta