• Postado por Tiago

A leitora Amanda da Silva Martins, 20 anos, reclama que tá passando maus bocados por conta da inoperância da polícia civil. Nove dias depois do furto dos pneus de um caminhão de sua família, que tava num estacionamento em frente à empresa Brasfrigo, na avenida Adolfo Konder, a Transilvânia, o pessoal da 2ª delegacia de polícia civil, onde ela registrou o boletim de ocorrência, ainda não fez a perícia do roubo.

Amanda reclama do mau atendimento da 2ª depê. O roubo aconteceu no domingo retrasado, dia sete. Na noite daquele dia, ela apareceu na delegacia da Barra do Rio pra dar queixa, mas não conseguiu porque o sistema da rede de computadores tava fora do ar.

Ela voltou na quarta-feira da semana passada pra tentar, novamente, registrar o furto, mas também não teria conseguido. Levou um chá de cadeira das 8h até ao meio dia e das 14h até às 18h30 para lhe informarem que, ou não tinha ninguém pra fazer o bendito BO ou o sistema estava de novo fora do ar.

A leitora, já começando a perder a paciência, retornou à delega na quinta, às 9h, e saiu ao meio dia finalmente com o boletim em maõs.

Agora, Amanda precisa também da perícia no local onde os pneus foram roubados para poder acessar o seguro do bruto. Até ontem, nove dias depois do furto, nada do perito dar as caras.

Perito foi chamado no dia, garante delegada

A delegada Aline Hermes Zandonai, da 2ª DP, disse que o perito Júlio foi chamado no dia em que Amanda registrou a ocorrência, mas ele não teria achado o local do furto. Ela ainda explicou que o dever da depê é registrar o BO. Depois, afirma a delegada, a responsa é da delegacia regional, onde os peritos se revezam nos plantões.

A dotôra ficou de ligar novamente pra perícia, mas deixou claro que é um procedimento demorado, já que há outros tantos boletins feitos por dia.

Amanda teria feito o BO na quarta-feira, dia 10, às 11h37, conforme consta nos registros da delegacia.

  •  

Deixe uma Resposta