• Postado por Tiago

INTERNA_9_abre_cleide-linhares-e-nicolas-becker_foto-dona-mariquinha

Cleide está levantando grana pra poder salvar a vida do filho

Cura não tem. Pelo menos oficialmente. A esperança do jovem Nicolas Linhares Becker, 16 anos, da Penha, é servir de cobaia nas experiências com células-tronco em Pequim, na China, e diminuir seu sofrimento. O rapaz tem uma doença rara, chamada distrofia muscular de Duchenne e precisa de pelo menos R$ 80 mil para ir até o outro lado do planeta e começar o tratamento.

A mãe, Cleide Mara Linhares, 41, diz que conseguiu incluir Nicolas no programa de experiências e agora implora por ajuda. A estimativa de vida para quem possui a doença é de 18 anos. Nicolas completa seus 17 no mês de agosto e Cleide não conseguiu nem 10% do valor necessário para a ida deles a Pequim. ?Não podemos esperar?, desespera-se ela.

Desde criança, Nicolas apresentava dificuldades nos movimentos do corpo. Não podia brincar como uma criança normal. A verdadeira causa do problema somente foi descoberta em 2001, pelo Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP).

Após o diagnóstico, Nicolas passou a fazer fisioterapia na Univali. A prefeitura cedia um carango para levar o rapaz. Mas pra piorar a situação do jovem, o prefeito da Penha cortou o transporte. ?Agora a gente não tem condições de levá-lo. O tratamento era ótimo?, diz a mãe. A fisioterapia ajudava Nicolas a retardar os efeitos da doença.

Há quatro anos, o rapaz depende de uma cadeira de rodas para se locomover. Força nas pernas ele já não tem mais. Para dobrá-las, é impossível.

Cleide começou uma campanha para levantar o dinheiro. Em um mês de procura, a conta disponível para depósitos tá com R$ 4,3 mil. ?É muito pouco se comparar com o que a gente precisa?, lamenta.

A mãezona também tá promovendo bingos e jantares. ?O quanto antes a gente for, melhor?, diz, esperançosa na salvação do filho.

Tratamento vai diminuir o sofrimento do jovem

O responsável pelas experiências com células-tronco em Pequim é o neurocirurgião Huang Hongyn. Cleide diz que já conversou com o médico por telefone. ?Ele disse que não tem cura. Mas pelo menos vai melhorar muito a qualidade de vida do meu filho?, afirma. A esperança de Cleide é prolongar a vida do jovem Nicolas.

As doações podem ser feitas através de uma conta do Bradesco: agência 2838-5, conta 7090-4. Os telefones de Cleide são (47) 9194-7934 e 3345-9510.

  •  

Deixe uma Resposta