• Postado por Tiago

Os 150 alunos que começariam as aulas hoje vão ficar chupando dedo

PAGINA-8-ABRE---estragos-chuva-e-vento-circo-escola-barra-velha---foto-felipe-VT-04

Marlene: ?Foi tudo pro chão, inclusive o meu sonho?

O temporal que atingiu a região na madrugada de ontem levou embora o sonho de dona Marlene D?Eça Campos, 71 anos. A fundadora e também diretora do circo-escola de Barra Velha, que fica no bairro São Cristovão, iria inaugurar hoje com a criançada a nova lona do circo, mas a estrutura virou um amontoado de plástico e ferro torcido. ?Eu nunca vi a natureza tão revoltada. Em cinco minutos os meus últimos dois anos de trabalho foram pro chão?, se lamenta a artista circense.

Dona Marlene conta que começou a escutar a barulheira do vento e correu pra janela de sua casa, que fica ao lado do circo-escola, pra ver se a lona tava de pé. Não demorou muito pra fundadora acompanhar tudo desabando. ?Foram duas fortes rajadas que quase carregaram a lona, mas na terceira não teve jeito. Foi tudo pro chão, inclusive o meu sonho?.

Além da lona toda cheia de estrelas, que era novinha em folha, o circo-escola também perdeu equipamentos, como o trapézio e a cama elástica, que estavam embaixo da estrutura que desabou. A fundadora relata que foram anos de muita luta pra juntar os cerca de R$ 75 mil investidos na nova escola. A grana foi garantida com os espetáculos dos alunos, empresários e governo federal. ?Eu me sinto como se estivesse despida. Chorei a madrugada inteira. E o pior foi ver os meus alunos chegando aqui entristecidos com o acontecido?, falou dona Marlene.

O circo-escola Marlene D?Eça é uma entidade filantrópica que há 10 anos ocupa o tempo da molecada de Barra Velha com dança, teatro e a arte circense. As aulas estavam paradas há quase dois meses por causa da troca da lona e seriam retomadas hoje com 150 crianças da cidade. ?Nós começaríamos a ensaiar o espetáculo pra inauguração oficial da nova estrutura. Agora não sei o que fazer. Vamos ter que contar com a boa vontade dos empresários pra retomarmos os trabalhos com as crianças?, disse a fundadora da escola, com a tristeza estampada no rosto.

Casas e mais casas destelhadas

O drama do vendaval também foi sofrido por centenas de famílias de Barra Velha. De acordo com o corpo de bombeiros militar da cidade, em praticamente todos os bairros foram registrados problemas por causa da tempestade da madrugada de ontem. Nem mesmo a estrutura dos vermelhinhos saiu ilesa. Parte do telhado foi arrancada pela ventania.

Seu Samírio Moreira de Jesus, 46 anos, morador da rua Miramar, no bairro Itajuba, viu as telhas de sua casa desabarem, sem nada poder fazer. ?Foi horrível, rápido demais. Se fosse mais cinco minutos de vento carregava tudo. E o pior é ter ficado 12 horas sem luz?, relembra.

De acordo com a assessoria de imprensa da prefa, ainda não há um balanço oficial da quantidade de famílias atingidas com a tempestade. As visitas da defesa civil pelos bairros de Barra Velha continuam sendo feitas hoje pela manhã, mas a prefa já adiantou que deve decretar estado de emergência. Entre os maiores estragos está a detonação do telhado do ginásio de esportes Valdir José Nazário e da cozinha comunitária, que estão interditados temporariamente.

A assessoria informou ainda que a energia elétrica tá voltando aos poucos e que o abastecimento de água não chegou a ser cortado na terrinha do pirão. As aulas nas escolas e creches seguem normalmente, assim como atendimento médico nos postinhos de saúde.

  •  

Deixe uma Resposta