• Postado por Tiago

Fiquei feliz ao ver, num dezembro destes últimos anos, o anúncio de um grande jornal prometendo dar de brinde aos leitores um presépio. Um presépio para colorir e montar, isto é: dirigido principalmente às crianças.

Entusiasmei-me com a ideia, porque um presente como este vem ao encontro a uma preocupação que já foi assunto de uma outra crônica: as nossas crianças precisam ser esclarecidas, desde bem cedo, sobre o significado do Natal. Precisamos ensinar-lhes que o Natal não é simplesmente uma data para se ganhar brinquedos de Papai Noel. E que melhor maneira do que um presépio? Ele é a representação, com todos os detalhes, do nascimento do menino que veio para trazer esperança e fé a todos aqueles que viessem depois dele. Aquele menino que nasceu há mais de dois mil anos, o filho de Deus, que espalhou amor, ternura, compreensão e fraternidade e que morreu para salvar cada um de nós.

Com certeza é uma boa oportunidade para contarmos às nossas crianças a história do Menino que nasceu numa manjedoura em Belém, se elas puderem interagir, pintando as figuras dos personagens, montando o cenário da mais bonita história da humanidade.

É a grande motivação para mostrar aos pequeninos – e não só a eles – que Natal não se resume a presentes, Papai Noel, árvores enfeitadas, guloseimas e roupa nova, coisas que nem todos podem ter. O que todos podemos fazer é festejar o aniversário do Cristo-menino, se conhecermos a sua história.

Por isso, é tão importante que tenhamos um presépio para montar, por mais simples que seja. Que mais jornais, revistas, etc., possam oferecer presépios para que todos aprendam o verdadeiro significado do Natal e para que amanhã, nossas crianças não sejam adultos que deixarão a magia desta época se acabar.

Porque na verdade nós, adultos, estamos deixando a magia e o encantamento do verdadeiro Natal, da comemoração do aniversário daquele menino se perder.

Então, presépio serve também para nós aprendermos com as nossas crianças que Natal não é essa festa consumista que estamos vivendo. Que há um menino querendo nascer, mais uma vez, no coração de todos nós. Abramos as portas dos nossos corações e far-se-á o Natal.

* O autor é coordenador do Grupo Literário A ILHA em SC, com 29 anos de atividades e editor das Edições A ILHA, que publicam as revistas Suplemento LIterário A ILHA e Mirandum (Confraria de Quintana), além de mais de 50 livros.

  •  

Deixe uma Resposta