• Postado por Tiago

Mais difícil

O Figueirense entra em campo para o seu quinto jogo pela série B de olho no embrulho da tabela que tem o Guarani, adversário desta sexta-feira, na liderança com 12 pontos. O perde e ganha por causa do equilíbrio muito grande deixa a luta pelo acesso à primeira divisão e pela fuga do rebaixamento bem mais difícil. Os números não mentem: atrás do Guarani tem o Ipatinga dois pontos abaixo, Vasco e Brasiliense somam nove pontos, Portuguesa com oito e com sete a turma do Figueirense, que está acompanhado por Bahia, Bragantino, Atlético/GO, Paraná e Vila Nova. É gente demais fugindo da rabeira da tabela e tentando ficar entre os quatro primeiros.

A encrenca do Avaí

O São Paulo só retorna à Libertadores para o jogo de volta contra o Cruzeiro, no dia 17. Azar do Avaí, que vai enfrentar um adversário inteiro e com as manhas do Muricy Ramalho, que poderá trazer para a Ressacada o time completo. Silas, por seu lado, não terá apenas o zagueiro Emerson, expulso no jogo contra o Inter. Basta não inventar. Com a obrigação de conseguir a primeira vitória para fugir da zona de rebaixamento, o Avaí não poderia ter pela frente adversário pior no domingo.

Nem voando

Ricardo Teixeira acena com eventos paralelos nas cidades eliminadas da Copa de 2014. Em Florianópolis, o clima pesou depois do anúncio da Fifa e já tem gente detonando com o prêmio consolação oferecido pelo presidente da CBF. O doutor Ricardo não pode passar nem por cima da cidade. As baterias antiaéreas estão preparadas.

Procura-se

Ninguém entendeu o sumiço repentino do presidente da FCF, Delfim Peixoto. Depois que Joseph Blater mostrou a lista das sedes da Copa sem Florianópolis, Delfim desapareceu das telas da tevê, não deu mais entrevista para as rádios, muito menos apareceu nas páginas dos jornais. Nem no site da Federação o homem deu as caras. Vai ver foi o frio. Tem gente que não se dá bem com as baixas temperaturas. A preferência é por dias ensolarados como os de Nassau, nas Bahamas.

Vigarice

Li na coluna do Prado que estão pensando em mudar a razão social do Marcílio Dias, um jeito maroto de mandar as dívidas do clube para o espaço. É a chamada irresponsabilidade social. Lages e Tubarão já deram inúmeros exemplos com a troca de nome dos seus clubes mais tradicionais. Como a justiça anda a passo de cágado e a Federação não cobra nada de ninguém, muito menos dos eleitores do eterno presidente, fica tudo como dantes no quartel do Abrantes.

Elefantes brancos

Tudo bem que capitais como Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre e as maiores do nordeste mereçam grandes estádios. Mas, pelo que está prometido visando a Copa no Brasil, teremos a repetição do gigantismo dos tempos da ditadura e do slogan “onde a Arena vai mal, um clube no nacional”.

Mineirice

Belo Horizonte luta para ser a sede da abertura da Copa e para tanto conta com o apoio do pré-candidato à presidência em 2010, Aécio Neves. Questionado sobre em que cargo gostaria de estar em 2014, respondeu rápido: “no Mineirão, assistindo à abertura da Copa do Mundo”.

  •  

Deixe uma Resposta