• Postado por Tiago

A fórmula imperfeita

O acidente grave com Felipe Massa no treino de classificação para o GP da Hungria de Fórmula 1 teve o envolvimento indireto de Rubens Barrichello, que provou ser mesmo um piloto sujeito a episódios no mínimo grotescos. Não falo de sorte ou azar, não acredito nisso. Para mim trata-se tão somente de competência e incompetência, no caso imperícia ou distração de algum mecânico da equipe Brawn. Um parafuso mal apertado ou colocado de forma incorreta, uma peça por alguma razão fragilizada, seja lá o que for, por pouco não resultou em mais uma tragédia na Fórmula 1, tendo mais um brasileiro como vítima. E Rubinho estava lá, participante involuntário, sem que ninguém lhe fizesse a pergunta óbvia. Como é que um carro de alta tecnologia deixa uma mola pelo caminho?

Brigando com a notícia

A Rede Globo, desde sábado e durante todo o fim de semana em seus noticiários, decidiu estabelecer um verdadeiro conflito com as informações oficiais sobre o acidente de Felipe Massa. Tudo que chegava ao narrador Galvão Bueno ou à repórter Mariana Becker era imediatamente desmentido ou ignorado pelos dois. Ninguém estava torcendo pelo pior, queríamos notícias positivas, é claro, mas os boletins médicos emitidos pela equipe que cuida de Massa no hospital eram sistematicamente contrariados. O piloto brasileiro passou pelo risco de morte, menos para a Globo que insistia em confrontar a notícia oficial com a opinião de um médico brasileiro, gabaritado, até pode ser, mas que não participara do episódio em sua totalidade, pois viajou a Budapeste somente sábado à noite. É comum e muito nociva à atividade jornalística essa intromissão da amizade com a fonte, interferindo no resultado final da informação. Por enquanto não podemos saber se haverá sequela para Felipe Massa e, mesmo quando chegar a hora, será bom aguardar por um pronunciamento isento. Por enquanto o noticiário fica desacreditado pelo envolvimento emocional dos principais personagens. Até Rubinho Barrichello foi mais técnico e mais eficiente ao falar a respeito do acidente e do estado do piloto e amigo.

Da série

O errado que dá certo. A reação espetacular do Avaí e a recuperação do Figueirense merecem muita comemoração dos seus torcedores. Nós jornalistas precisamos olhar com cautela a boa posição dos nossos representantes no campeonato Brasileiro, em séries diferentes, mas enfrentando as mesmas dificuldades e usufruindo das mesmas razões que permitiram a reviravolta em suas campanhas. É certo que Silas e Roberto Fernandes lutaram com a falta de recursos técnicos em seus elencos, mas também é verdade que ambos titubearam na busca de soluções. Jogadores sem aproveitamento até no banco de reservas, por necessidade ocasional de repente viraram titulares eficientes. E aqueles mantidos no time por teimosia dos treinadores desapareceram. Fica o alerta da vovó: cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, principalmente em um campeonato longo e difícil como é o Brasileirão A e B.

Está ruim? Espere pelo pior

O Corinthians, sem Ronaldo desde o começo do primeiro tempo por contusão, e sem André Santos e Cristian, negociados, já pagou o primeiro mico ao perder de 3 a 0 para o Palmeiras com três gols de Obina. O fiasco só não foi maior porque o Palmeiras desistiu do jogo bem antes do final. O Inter, nem se fala, estava ruim antes mesmo de perder Nilmar. Ficou pior. Como a janela continua escancarada, veremos mesmo a rapa do tacho, sem Libertadores nem Copa do Brasil para dividir atenções e justificar desgastes.

Eficiência interina

Jorginho entregou para Muricy Ramalho um Palmeiras líder, junto com o Atlético/MG (perde para os mineiros no saldo de gols), e Andrade conseguiu com o Flamengo quebrar um tabu derrotando o Santos na Vila, justo na estreia de Vanderlei Luxemburgo. A ver quem assume como interino no Sport para arrumar a casa com a saída de Leão.

A turma do já era

O Criciúma perdeu em casa e deu adeus à série C. Pelo menos não foi rebaixado. Já o Marcílio Dias fecha as portas e espera pelo milagre da ressurreição. A Chapecoense salva a pátria com a classificação na série D.

  •  

Deixe uma Resposta