• Postado por Tiago

O pequeno Abdon veio morar em Itajaí com apenas seis anos de idade, acompanhando sua família, que se transferiu de Florianópolis. Filho de Augusto Foues, descendente de franceses que residiam no Líbano, e de Abadia, natural da Síria, nasceu em 1° de junho de 1909, na capital catarinense. O sobrenome Foues foi abrasileirado para Fóes quando, no governo de Getúlio Vargas, foi assinado um Ato permitindo mudanças de nomes.

De uma família numerosa, Abdon começou muito cedo a prover a manutenção da casa, auxiliando sua mãe em atividades comerciais, depois do falecimento do pai.

Estudou no antigo Grupo Escolar Victor Meirelles, deixando de continuar seus estudos fora da cidade. Era um autodidata, e sua avidez pelo conhecimento fazia-o tomar livros emprestados de autores consagrados, lendo-os com grande interesse. Além da leitura, começou a participar de atividades artísticas e culturais ainda muito jovem.

Em agosto de 1929, integrou o grupo de jovens que fundou o Clube Bloco dos XX, exercendo a presidência, tornando-se, mais tarde, seu presidente de honra.

Em 1927, frequentou o Tiro de Guerra, em Itajaí, quitando o serviço militar.

Casado com Lídia Gomes Fóes, a Lili, tiveram três filhos: Felix, Maria Juraci e Ligia.

Arrojado e criativo, tentou entrar para o mundo jornalístico publicando jornais humorísticos como “O Futurista”, o “Careca”, o “Bem-Te-Vi” e, em parceria com o jornalista Mascarenhas Passos, publicou o “Tom Pouce”. Empregou-se na redação do combativo Jornal “A Gazeta Popular”, propriedade do chefe político oposicionista Cel. José Eugênio Muller, onde adquiriu experiência. Não demorou muito, já adulto e buscando realizar seu sonho, Abdon fundou o “Jornal do Povo”, em 1935, semanário que ficou na história de Itajaí, permanecendo como diretor até 30 de julho de 1977. Porém, continuou colaborando com a coluna “Rabiscando aos sábados”.

O Jornal foi sempre muito elogiado pelas famílias de Itajaí e por diversas personalidades do mundo político. Certa vez, o governador Colombo Salles se referiu ao jornal dizendo que o “Jornal do Povo” era pequeno no tamanho, mas grande no seu conteúdo.

Político atuante na Cidade, exerceu sua liderança e se elegeu vereador em 1935 e em 1955. Ocupou as funções de prefeito de Itajaí, em períodos de 1945 e 47, de Inspetor do Departamento das Municipalidades, em 1940, e de secretário de Estado do Trabalho, em 1961. Ocupou outros cargos públicos, muitos deles sem remuneração.

Participou intensamente de atividades sociais, esportivas e culturais, integrando os membros que fundaram a Banda Musical Guarani, o Aero Clube de Itajaí, o Corpo de Bombeiros e o Rotary Clube de Itajaí. Também foi presidente da Sociedade Guarani, quando concluiu a atual sede. Sócio do Clube Náutico Marcílio Dias, exerceu a presidência por duas gestões, presidente da Associação Esportiva do Vale do Itajaí e um dos fundadores da Liga Itajaiense de Desportos, da qual foi, também, o seu primeiro presidente.

Ao se despedir dos seus leitores como diretor do JP, Abdon Fóes confessou: “Depois de muita meditação, resolvemos nos despedir da direção do JP, para desfrutarmos de merecido descanso. A nossa missão está cumprida. Deixamos para a posteridade um jornal com grandes serviços prestados à nossa comunidade.” Sua coluna “Rabiscando aos sábados” foi publicada até 1981, quando foi suspensa por motivo de doença que culminou com o seu falecimento, em 29 de abril de 1981. Calou-se a voz de um cidadão apaixonado pelo jornalismo que, durante muitos anos, soube fazer jornalismo com equidade e elegância, manifestando suas ideias e pensamentos com imparcialidade.

Sua biografia é muito rica para caber no espaço de um simples artigo de jornal, mas tentei sintetizar para reverenciá-lo.

No movimento literário que culminou com a fundação da Academia Itajaiense de Letras, seu nome foi lembrado para ser o Patrono da Cadeira nº. 21, escolhido por mim e que muito me honra.

No ano do seu centenário de nascimento, Abdon Fóes merece ser lembrado pela comunidade e pelas pessoas que o admiravam e o guardam na memória, para receber justa homenagem de agradecimento por todos os serviços prestados a Itajaí.

  •  

Deixe uma Resposta