• Postado por Tiago

O dia começou ensolarado e quente. Nenhuma nuvem no céu. As flores respiravam aquele clima de energia que o verão oferece à natureza. As pessoas se movimentam pelas ruas em busca dos últimos presentes para festejar o Natal com seus familiares.

Para minha surpresa, logo cedo, recebo a visita de alguém que procurava comprar um dos meus livros para presentear um parente.

Eu estava com vários compromissos naquele dia. Depois do café da manhã, saí para fazer as últimas compras para a ceia de Natal. No supermercado, as pessoas buscavam seus produtos e carregavam seus carrinhos num vai e vem constante. A fila nos caixas era cada vez maior. Levei quase duas horas para me desvencilhar daquele compromisso. Quando cheguei em casa, havia o telefonema de uma senhora querendo comprar o livro “Júlia e Gabriel visitam Itajaí” para presentear sua neta, com o pedido para eu fazer uma dedicatória. Logo após o almoço, ela manda buscar o livro, que tive o prazer de autografar com uma bonita mensagem.

Em seguida, fui procurar os presentes para minhas duas netas pequenas, os últimos da lista. O shopping estava movimentado e as vitrines exibiam as melhores ofertas para presentes. Fui direto à loja de brinquedos e encontrei duas lindas bonecas, uma com acessórios para maquiagem e outra com acessórios para pentear os cabelos. Voltei para casa satisfeita com as escolhas, pois imaginei as meninas brincando com as bonecas, uma fazendo a maquiagem e a outra penteando os cabelos da boneca.

A época de Natal é, sem dúvida, uma das mais esperadas do ano, mas também a que mais nos deixa cansados, com os preparativos para o encontro da família. Preocupa-nos deixar a casa decorada com motivos de Natal, preparar a ceia, encontrar uma lembrança para oferecer a cada um dos familiares. Tudo faz parte da tradição natalina e do imaginário das pessoas. Pinheiro de Natal, luzes enfeitando o jardim e a sala, Papai Noel com suas vestimentas vermelhas, velas coloridas, mesa decorada com toalha de motivos natalinos, talheres, copos e louça especiais, presentes para demonstrar carinho e agradecimento pela oportunidade de compartilhar momentos de alegria e fraternidade. É um dia esperado durante todo o ano. Os filhos que vêm de longe, os filhos que moram perto, todos se encontrando na casa paterna (ou materna) para reforçar os laços de amor e de união, significado principal do dia de Natal, data em que se comemora o nascimento do Menino Jesus, que veio ao mundo para ensinar aos homens a fraternidade. É o motivo maior para este encontro e, por isso, tão esperado durante todo o ano.

Naquele dia eu estava cansada, mas sabia que tudo estava pronto para a chegada do Natal. Pretendia ficar em casa para relaxar depois de tantos compromissos, mas recebi convite para uma apresentação no Teatro Municipal de um tenor itajaiense radicado na Itália. Pareceu-me uma boa opção para terminar o dia.

O teatro estava lotado. O tenor, Ludo Farago, ainda adolescente, descobriu que era portador de uma bela voz, potente e de um timbre inconfundível, apresentando-se, pela primeira vez, aos dezessete anos, no Teatro Adelaide Konder, da Univali. Foi o início de uma carreira que o levou aos palcos da Europa, mais precisamente da Itália. Porém, sempre esteve ligado às suas origens e aproveitou sua estada em Itajaí para brindar-nos com um lindo espetáculo, onde ele busca resgatar um pouco da sua história e homenagear sua terra natal e sua gente.

Seu repertório se constituiu de peças do cancioneiro brasileiro e internacional, escolhidas com bom gosto e de grande aceitação pelo público. Sua voz potente e clara ecoava pelo teatro, emocionando o público que o aplaudia com entusiasmo. Entre as canções salientou-se Torna Surriento, Eu sei que vou te amar, Carinhoso, Amapola, Granada, Ó sole Mio, finalizando com Aquarela do Brasil.

Foi um momento emocionante que me tirou todo o cansaço daquele dia, deixando-me tranquila. Voltando para casa, concluí que foi um dia com final feliz e que aquele show foi, para mim, um presente de Natal.

* Pedagoga, escritora e fundadora da Academia Itajaiense de Letras

  •  

Deixe uma Resposta