• Postado por Tiago

INTERNA_base_stefany-vicentin-(2)

O álcool exige mais manutenção, garante Stefany

O mecânico Stefany Vincentin, coordenador do núcleo setorial de automecânicas da Associação Empresarial de Itajaí, tem uma opinião diferente daquela do consultor. Para ele, não há economia na manutenção dos carros movidos a álcool em relação aos que usam gasosa. ?É ao contrário. O álcool resseca um pouco mais que a gasolina vários componentes, com o bico da bomba injetora, por exemplo?, afirma.

Num carro a gasolina, ressalta Stefany, a limpeza do bico injetor de combustível pode ser feita com 40 mil quilômetros. Num carro a álcool tem que ser feita a cada 10 mil quilômetros rodados. A limpeza de bico custa em média R$ 110.

O menor tempo de revisão de peças em carros a álcool, se comparado com os movidos a gasolina, se estende a outras peças do veículo, garante o mecânico. Velas e filtro de combustível são alguns deles. Um jogo de quatro velas, que custa em torno de R$ 70, precisa ser trocado a cada 30 mil quilômetros num carango a álcool. Num a gasolina, pode ser com 40 ou 50 mil. O filtro de combustível, que custa R$ 15, duraria metade do tempo num carro a álcool e precisaria ser substituído com 10 mil quilômetros, diz Stefany.

Uma das vantagens do carro movido a suco de cana, admite o mecânico, é que ganha em potência. ?No álcool a compressão do motor é mais forte?, afirma.

  •  

Deixe uma Resposta