• Postado por Tiago

Os vereadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do hospital Santa Inês, em Balneário Camboriú, confirmaram ontem o nome do tucano Dão Koeddermann (PSDB) pra comandar as bizolhadas. As investigações já começam com pedincho de mordomias. Os vereadores querem de sala especial até computador sem ligação com o sistema da câmara, tudo pra evitar que algum bisbilhoteiro atrapalhe as investigações. Os primeiros depoimentos começam a rolar na próxima semana.

Dão ganhou o arrego de ser presidente por ter sido quem levantou a bola da CPI. O vereador José Hannibal (PP) ficou com o cargo de relator, e o vereador tucano Fabrício de Oliveira (PSDB), que foi indicado depois que a turminha que defende o prefeito Edson Periquito (PMDB) abriu mão do cargo, ganhou a terceira vaga.

Durante a primeira reunião da comissão, que rolou na tarde de ontem, o trio fez uma lista de pedinchos, que foi entregue ao presidente da casa, vereador Moacir Schmidt (PSDB). Os vereadores querem uma sala exclusiva pra tramparem nas bizolhadas, computador especial, que não será interligado aos demais, e a presença de um procurador jurídico, um contador e uma secretária da casa do povo pra acompanharem o passo a passo da CPI. Pra completar, todos os depoimentos serão gravados, pra que ninguém decida voltar atrás no que disse.

A primeira tarefa dos membros da CPI será uma visitinha ao Santa Inês, que rola ainda esta semana, pra bizolhar o funcionamento bem de pertinho. Depois, serão pedidos papélis de inventário e registros da contabilidade desde outubro de 2005, quando a prefa da Maravilha do Atlântico assumiu a direção do hospital. Todos os ex-diretores que passaram por ali, além do atual, dotô Eroni Foresti, serão chamados pra sisplicar.

Durante a sessão da câmara da noite de ontem, Dão disse ainda que vai querer saber da polícia Civil, tintim por tintim, como tá o inquérito que apura o sumiço de documentos do departamento jurídico do Santa Inês. Já o vereador Claudir Maciel (PPS), líder do governo, avisou que vai acompanhar o trampo da CPI bem de perto. “Não é porque fomos preteridos na proporcionalidade que não vamos estar atentos”, carcou. A CPI tem 90 dias pra ser concluída.

  •  

Deixe uma Resposta