• Postado por Tiago

Uma padoca da Meia Praia, em Itapema, levou preju ontem à tarde nas mãos de um aprendiz de malaco. O mini-traste entrou no comércio armado com um trabuco, anunciou o mãos ao alto e rapou o caixa. Ele fugiu diapé, com o revólver no bolso, como se nada tivesse acontecido. A puliça Militar tentou encontrar o dimenor pelas redondezas, mas não acharam nem sinal dele.

Era passado de meio-dia e meia, e os empregados da padaria Doce Pan, na avenida Nereu Ramos, já tavam com a barriga roncando de fome, só pensando na folguinha pro almoço, quando um gurizão entrou, como quem não quer nada. O carinha se encostou no caixa e pediu uma carteira de cigarros pra mocinha que tava atendendo.

Não contente, quis que ela lhe desse também um isqueiro. Pelo jeito, a ideia dele era obrigar a guria a virar de costas. Como não tava dando certo, pediu, por fim, um cartão de telefone. Desta vez a moça precisou virar pra pegar o pedincho, e o mini-traste aproveitou pra dar o bote.

Ele ergueu a camisa, tirou um berro do bolso da calça, o largou em cima do caixa e anunciou o assalto. Apavorada, a garota não teve escolha senão obedecer o que o aprendiz de bandido mandava. Ele a fez retirar toda a grana que tava guardada na maquininha registradora. Depois, embolsou todo o dindim, que não teve o valor divulgado pela PM, e saiu da padoca caminhando diboa, com o trabuco debaixo da blusa e cara de inocente.

No apuro pra tentar não sair no preju, o dono da padoca, que percebeu o atraque através das camerazinhas bizolhudas que monitora em seu escritório, saiu correndo e acabou caindo numa escada. Ele teve um corte feioso na cabeça, mas tá bem.

Como não conseguiu sair atrás do bandidinho, o cara avisou os milicos, que pintaram na área pra registrar a ocorrência. Eles deram umas bandas pela região à procura do aborrescente, mas o mini-traste não foi achado.

Palmiteiros

Dois malacos foram guentados na noite de quinta-feira tentando furtar cabeças de palmito de uma propriedade rural. A dupla tava dando o bote na rua Virgílio Cadore, no Campeche, em Itajaí, quando os meganhas os encontraram cortando palmitos. Os safados foram levados pra 1ª depê peixeira.

Depois do papo-cabeça com o delegado, Márcio José Nicoletti, 32, que tava pedido pela dona justa da 3ª Vara Criminal de Itajaí, foi levado pro cadeião peixeiro. O comparsa liberado pra responder pelo furto em liberdade.

  •  

Deixe uma Resposta