• Postado por Tiago

Denúncias de xunxo na administração da Associação Náutica de Itajaí (ANI) chegaram até a 9ª promotoria de justiça do ministério público na semana passada. Entre as supostas irregularidades estão pagamento de salário e aluguel ilegais e a jornada dupla de trampo de um professor. O ministério público (MP) ainda está investigando, mas o ex-presidente da instituição Vilmar Braz, acusado pelas maracutaias, jura de pés juntos que tá não há nada de errado e que tudo não passa de armação.

A promotora Débora Pereira Nicolazzi falou que o apresentado até agora ao MP é muito pouco pra se tirar qualquer conclusão. “Nós estamos na fase inicial de investigação. Por enquanto é só o que posso falar”, resumiu.

O DIARINHO descobriu ontem que as denúncias feitas estão ligadas diretamente ao ex-presidente da ANI, Vilmar Braz, que estava à frente da entidade pelos anos de 2007 e 2008. O denúncia dá conta de que ele teria recebido nestes dois anos o salário de R$ 3 mil por mês, se dizendo passar por voluntário. Além disso, teria alugado pra associação, durante o período, o seu próprio galpão, que fica no bairro São Judas, por mais de R$ 1 mil.

As denúncias não param por aí. Um professor da escolinha de vela e ramo teria trabalhado em 2007 na secretaria de educação e na ANI ao mesmo tempo e recebido dois salários por isso. A grana para o pagamento viria da verba de mais de R$ 100 mil dada pela prefa à associação através de um convênio.

O acusado, Vilmar Braz, se mostrou surpreso ao saber das denúncias ao MP e disse que, por enquanto, não recebeu nenhum comunicado sobre o assunto por parte da promotoria. O ex-presidente falou ainda que o assunto é muito delicado, mas que ele imagina quem seja a pessoa que levou o caso à promotora. Vilmar afirma que um professor o perseguiu durante os dois anos de sua gestão, querendo assumir o seu cargo e por esse e outros motivos foi dispensado da associação. “Estão tentando denegrir a imagem da associação, mas isso não tem fundamento. Quando recebemos o convênio precisamos prestar contas com a prefeitura e foi o que fizemos. Se tivesse irregularidade não teríamos conseguido o apoio deste ano”, se defende.

Vilmar saiu da presidência da ANI no ano passado, já que o mandato é de dois anos. O atual secretário da associação, Vilson José da Silva, que hoje responde pelas finanças da ANI, disse que o convênio com a prefa pra este ano já foi confirmado. Os trabalhos da escolinha de vela e remo serão mantidos, mas com só dois instrutores, um ajudante e grana reduzida. “Pela estrutura conseguiremos atender cerca de 130 crianças”, contou o secretário.

  •  

Deixe uma Resposta