• Postado por Tiago

Mais de 250 monitores da Zona Azul da capital cruzaram os braços na sexta-feira e, em passeata, foram até à câmara e ao sindicato da categoria buscar explicações sobre o projeto de lei da prefa que propõe a privatização do serviço. Por causa da mobilização, não houve cobrança de estacionamento no centro da cidade ontem. “Ninguém veio conversar conosco sobre este projeto. Ficamos sabendo pelos outros que já está com os vereadores o documento que pede a administração da Zona Azul por uma empresa privada”, diz Alexandre Fernandes, supervisor do serviço de estacionamento na capital.

O diretor operacional do instituto de Planejamento Urbano (Ipuf), Giovani Reis, também não sabe detalhes da proposta de privatização, mas garante que o projeto prevê garantia de empregos a quem atua na Zona Azul. Na Câmara, a proposta ainda não foi analisada pela comissão de constituição e justiça.

Reuniões rolaram durante toda a tarde de ontem no Ipuf com representantes dos trabalhadores. A meta era tentar explicar pra turma que a prefa tá tentando organizar a coisa. À boca miúda rola que o executivo quer silivrar da bomba, principalmente porque a justiça manteve nesta semana a determinação de que os monitores da Zona Azul não podem ser os responsáveis por aplicar multas, função que só pode ser exercida por um policial militar.

  •  

Deixe uma Resposta