• Postado por Tiago

A polícia Civil abriu um inquérito pra investigar o que pode ter provocado a morte de Miguel de Freitas Floriani, 49 anos. O coitado passou dessa pra melhor esta semana, depois de ter despencado do telhado de uma revenda de carros, na divisa entre Balneário Camboriú e Itajaí. O delegado Jorge Schlosser, que ficou com a responsa pelas bizolhadas, quer saber se foram tomadas todas as medidas de segurança que poderiam ter impedido a tragédia.

O acidente rolou por volta das 9h da matina de segunda-feira. Miguel, que tinha sido contratado pra colocar um luminoso em frente à concessionária Dalfovo, tava trepado em cima do telhado, quando se desequilibrou e caiu. Ele bateu com as costas num possante e arrebentou a cabeça no chão.

O coitado foi socorrido pelos vermelhinhos, que o levaram pro hospital Santa Inês, em estado grave. Miguel chegou a ser transferido pro Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí, pra fazer uma tomografia, já que o aparelho do Balneário tá quebrado. No hospital peixeiro descobriram que ele tinha traumatismo craniano e fratura na coluna.

Durante a semana, Miguel voltou pro Santa Inês, onde ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) até a manhã de quinta-feira. Por volta das 6h, ele não resistiu mais aos ferimentos e partiu pro além.

O delegado Jorge disse que a abertura de inquérito é um procedimento normal em casos como este. “Vamos verificar se houve imperícia ou imprudência”, avisou. As investigações terminam em 30 dias.

Os acidentes de trabalho causam cerca de três mil mortes por ano no país, segundo uma estatística da previdência Social, e esse número vem aumentando. Os empregos na construção civil estão entre os que mais apresentam problema, de acordo com a previdência.

  •  

Deixe uma Resposta