• Postado por Tiago

Em menos de sete horas, dois motoras bebuns foram em cana por pilotar carangos com a cara cheia. Por coincidência, os dois conseguiram fazer a mesma lambança: capotaram os carangos na BR-101, entre Itapema e Balneário Camboriú. A diferença é que um acidente rolou às 5h de ontem e o outro às 23h de segunda-feira.

Quem começou a manhã de ontem com a cabeça virada foi o Josemar Seberino, 30 anos. O cara seguia de Itapema pra Balneário e perdeu o controle do Fox, placa DBW 5166 (Balneário Camboriú), no quilômetro 148, em Itapema. O carango siperdeu e foi parar na margem da pista. Com o solavanco, o carro perdeu estabilidade e capotou.

Policiais rodoviários federais foram conferir a trombada e encontraram o motora trançando as pernas. Fizeram o teste do bafômetro e constataram que Josemar tava com 0,84 de álcool por litro se sangue, ou seja, ele tava bebaço. Com o flagra, o cara foi levado pra curar a ressaca na delegacia de Itapema, onde teve que pagar fiança pra silivrar da jaula.

Quase sete horas antes foi a vez do Gilmar Antonio Bartz fazer bobiça. O sujeito ia de Balneário pra Itapema no Golf, placa AFP 1675 (Itapema). No quilômetro 140, na descida do morro do Boi, não conseguiu guentar o carango, saiu da pista e virou de pentelhos pro ar.

Gilmar deu com a cabeça no pára-brisas e ficou com uns lanhados. Uma moçoila que estava de carona com ele, e não teve o nome divulgado, também sofreu uns arranhões. Eles foram socorridos pela ambulância da Autopista Litoral. O casal foi levado pro hospital Santa Inês, na Maravilha do Atlântico Sul.

Em seguida, Gilmar teve que acertar as contas com os homisdalei por dirigir carango alcoolizado.

Lei seca

Os porradaços rolaram logo na semana em que a lei seca completa um ano. A lei, que começou a valer em 20 de junho do ano passado, é mais rígida com os motoras e não deixa que os condutores bebam nem um golinho de álcool antes de sentar na direção dos possantes.

Pelos dados da PRF, no primeiro semestre da lei, 40 mil pessoas foram abordadas em todo o Brasil e seis mil acabaram enjauladas por beber e dirigir. No segundo semestre, foram 200 mil abordagens e o mesmo número de presos.

“A lei surtiu efeito porque diminuiu a incidência de pessoas embriagadas”, lascou o inspetor Vilson Bossei, chefe do setor de comunicação da Polícia Rodoviária Federal de Santa Catarina.

  •  

Deixe uma Resposta