• Postado por Tiago

INTERNA_21_abre-direita_morro-do-Bem-te-vi_foto-felipe-vt

O caso aconteceu no comecinho da escadaria do morro

O DIARINHO recebeu ontem mais uma reclamação de abuso de otoridade por parte dos PMs que rondam o morro do Bem-te-vi, atrás do cemitério da Fazenda, em Itajaí. O músico Evandro LuÍs da Conceição, 28 anos, procurou o jornal puto da cara com dois policiais que teriam passado dos limites na noite de quinta-feira, quando ele chegava em casa junto com o irmão.

Evandro conta que tava no pé da escadaria, indo até a casa de um amigo guardar sua motoca, quando uma baratinha chegou junto. ?Os dois policiais, o Luciano e a Ana, já vieram com a arma em punho apontando pra minha cara, me xingando e pedindo meus documentos e os documentos da moto?, relata o músico. ?Como tava tudo em dia, ele alegou que eu tava dirigindo com a viseira do capacete levantada, mas eu já tava parado e tudo?, bufou.

O músico teve sua carteira apreendida e um dos tiras ficava lhe chamando de vagabundo, bandido e que ele tinha envolvimento com traficantes. Evandro conta que sofreu racismo da policial Ana e ameaças do outro milico. ?Ela me chamou de ?negro burro? e o Luciano disse que onde ele me encontrar daqui pra frente vai me abordar e fazer algo contra mim?, denunciou.

Evandro deu queixa na polícia civil e tirou uma declaração de bons antecedentes pra deixar no bolso e mostrar que nunca teve bronca com os homidalei.

O rapaz garante que não vai deixar a coisa parar por aí. ?Vou à corregedoria e onde for preciso. Esse tipo de abordagem e essa maneira de tratar as pessoas não podem mais ser aceitos?, discursou

Enquanto os policiais guentavam a carteira de Evandro e lascavam uma multa no lombo dele, outros motociclistas passaram por ali com a viseira do casco levantada e uns até sem viseira. ?Mas é sempre assim: Preto, pobre e atrás do cemitério, eles partem pra cima mesmo?, detonou.

Tem que ir no batalhão

O sargento Márcio Guarezi, da corregedoria da Polícia Militar de Itajaí, dá a dica: ?A pessoa precisa procurar o batalhão da área ou vir direto na corregedoria pra registrar o fato?. Ele explica que, depois de receberem a denúncia, ela é encaminhada para o comando da PM, que vai decidir se abre ou não um inquérito, uma sindicância ou outro tipo de investigação.

Quanto ao caso do músico, Guarezi afirmou que uma pessoa esteve no início da tarde de ontem procurando a corregedoria, mas foi recomendada a voltar mais tarde, pois o trampo tava corrido. ?Mas não posso detalhar esse caso pois a pessoa não retornou ainda?, completou.

O código penal militar prevê penas severas pra policiais pegos descendo a lenha no povão sem mais nem menos. Os PMs podem ser presos no quartel e até perder a fardinha.

Na semana passada, moradores do morro do Bem-te-vi denunciaram ao DIARINHO que a polícia militar baixava o cacete no povão pra tentar descobrir onde mora o traficante conhecido como Alemão.

  •  

Deixe uma Resposta