• Postado por Tiago

A dona de casa Maria Rosa de Jesus, 52 anos, acusa o soldado Valmir Ângelo Parizotto, da PM de Barra Velha, de provocar uma lesão na coluna de seu irmão, Adilson Antônio de Jesus, 35. O mano de Maria é viciado e, diz a dona de casa, foi espancado pelo PM. “Ele nunca nos contou que foi agredido. Agora, como ele tava sentindo muitas dores, descobrimos que o policial deu um chute com a botina em suas costas, que fraturou uma de suas vértebras”, relata Maria Rosa.

Adilson foi agredido na quinta-feira da semana passada, no bairro São Cristovão. Mas a família só descobriu a lesão na coluna no domingo, quando o obrigou a ir no pronto-socorro, pois estava com dores e febre alta.

A fratura foi confirmada pelo raio X e os médicos o transferiram direto pro hospital São José, em Joinville. Na segunda-feira à tarde, Adilson recebeu alta e não corre mais riscos, conta a irmã. “Mas minha mãe, coitada, teve que gastar R$ 80 em remédio com ele por causa desta brutalidade”, lasca.

Pra Maria Rosa, o fato de seu irmão ser viciado em drogas não justifica a suposta agressão policial. “Se ele for visto com droga, eles que o levem para a delegacia, para que seja resolvido lá. Que não fiquem batendo nele por aí. Isso é um absurdo!”, bufa a dona de casa, revoltada.

Pra piorar as coisas, o soldado da PM ainda teria ameaçado Maria Rosa. “Ele veio na minha casa e mandou recado pela minha mãe. Disse que se eu fizesse um boletim de ocorrência na Civil, eu e meu irmão iríamos pagar caro por isso. Mas quero que todo mundo saiba o que ele está fazendo”, afirma a dona de casa tinhosa.

A denúncia contra o PM já foi feita à polícia Civil.

PM deve investigar

O major Hélio Puttkammer, comandante da PM de Barra Velha, disse ao DIARINHO que ficou sabendo do caso através de um programa de rádio local. O major pede para que dona Maria vá até o batalhão oficializar a denuncia. Se isso acontecer, o comando vai ouvir os envolvidos e as possíveis testemunhas. Além disso, Adilson vai passar por uma perícia. Depois de serem colhidas todas as informações e provas, é feito um relatório com a conclusão das investigações e encaminhado pro comando geral da polícia, explica o oficial.

Pro major foi uma surpresa o nome do policial Parizotto estar envolvido no caso. O chefão da PM da Terra do Pirão disse ainda que é raro a PM de Barra Velha receber denúncias de agressões praticadas por policiais.

  •  

Deixe uma Resposta