• Postado por Tiago

A vitória de 2 a 1, de virada, do Navegantes sobre o Juventus, no último fim de semana, ainda tá rendendo pano pra manga. Como se não bastasse o jogo válido pelo Catarininha ter sido paralisado por cerca de 40 minutos por falta de policiamento, agora é a vez da diretoria do time de Jaraguá do Sul abrir o bico. Os cartolas do Moleque Travesso tão puteados com uma série de irregularidades que teriam rolado no estádio do bairro das Nações, em Balneário Camboriú.

Em nota oficial, a direção do Juventus faz graves acusações. Dizem que o bandeirinha foi ameaçado de morte pelo treinador do NEC, o que teria influenciado diretamente seu trabalho, e citam o gol do Juventus como exemplo, quando o auxiliar teria escutado um monte de absurdos da comissão técnica e da diretoria do time dengo-dengo. Também falam que após o fim do jogo os atletas de Jaraguá foram insultados pela cartolagem do NEC, inclusive com o jogador Danilo Teophilo tomando uma cusparada na hora em ia cumprimentar atletas do time de Navega, o que gerou um grande tumulto.

Outras reclamações do povo do Juventus foram que os portões do estádio estavam fechados quando chegaram e tiveram que esperar 40 minutos pra terem acesso aos vestiários; não tinha maca pra socorro dos atletas no campo e improvisaram com a maca da ambulância; não havia cabine de imprensa e a transmissão do pessoal de Jaraguá rolou numa mesa improvisada ao lado do gramado; e os vestiários eram vizinhos e sem segurança alguma.

Alheio à denúncia, na súmula do árbitro Luiz Carlos Pereira não existe qualquer registro de ameaça a ele ou a um de seus auxiliares. Fala apenas dos 40 minutos de paralisação por falta de policiamento e também que a diretoria do NEC foi velhaca e não pagou as taxas de arbitragem.

A reportagem tentou falar com o presidente do time dengo-dengo, Egon da Rosa, mas o cara não tava a fim de atender o celular.

  •  

Deixe uma Resposta