• 09 jan 2010
  • Postado por Tiago

Onde estão as verdadeiras empresas inovadoras no Brasil?

Recentemente, “googliei” a palavra “inovação” e recebi mais de sete milhões de páginas. Idem para “empresas que inovam”, com mais de 1 milhão de repostas. Na TV, revistas, jornais, a palavra chave em toda propaganda é “inovação”. Isso sem mencionar as diversas palestras sobre o assunto, cursos de Pós e MBA, entre outros. Até mesmo a minha filha de nove anos, dias atrás, comentou que fez uma “inovação” na escola!

Bom, só se fala em inovação. Eu adoro inovação! Felizmente ou infelizmente estava na hora do assunto de geração de inovação ocupar o noticiário setorial e o geral.

Quantas pessoas estão gerando ideias por dia? Quantas evolucionárias e revolucionárias? Qual o tamanho deste estoque de conhecimento? Quantas dessas ideias estão engavetadas, incubadas ou perdidas no meio de tantas obrigações, compromissos, pensamentos e sentimentos?

Quando analisamos essas afirmações, do ponto de vista empresarial, descobrimos que excelentes ideias, capazes de incrementar ou revolucionar as coisas e o mundo são perdidas em meio ao caos da rotina diária!

Tratando-se do ambiente empresarial brasileiro, essa máxima fica ainda mais óbvia, pois temos uma capacidade ilimitada de criação e o nosso ambiente profissional ainda padece com a falta de cultura participativa, centralização e hierarquia temporal. Existem verdadeiras barreiras entre as grandes ideias e a alta administração das companhias.

É fácil constatar que as corporações gastam fortunas fazendo publicidade sobre inovação, mas onde está a verdadeira inovação? Onde estão os verdadeiros cases? Nós, consumidores comuns, não vemos essa inovação em qualquer aspecto de nosso relacionamento com essas empresas.

Se analisarmos o setor bancário, especificamente, sem tirar os méritos dos ganhos tecnológicos extremamente rentáveis, todos os bancos fazem tudo exatamente igual e jamais tiveram a ousadia de perguntar aos seus clientes o que de novo poderia ser acrescido. Ainda assim, todos são “empresas inovadoras”.

Seria muito interessante que as empresas que se intitulam “inovadoras” demonstrassem seu processo de inovação.

Minha sensação é a de que empresas inovadoras, salvo raríssimas exceções, não são aquelas que apenas intitulam-se. Existem exemplos, como o próprio Correios, que lançou sistema para que 80 mil de seus colaboradores possam interferir com ideias e inovações, mas nem por isso intitula-se uma empresa inovadora. Outro é a IBM, que criou e gere um sistema de produção e gerenciamento de inovação, tendo essa iniciativa como ferramenta de desenvolvimento.

Fato interessante é de que existem muitos casos de redução de custos, melhoria do ambiente e sensação dos trabalhadores quanto aos seus empregadores, contudo, mesmo diante de tudo isso, as organizações e empresas ainda não descobriram o valor de ouvir a suas comunidades para agregar valor aos seus objetivos. Atualmente, existem ferramentas gratuitas para a gestão de inovação e ideias!

Muitas empresas continuam gastando seu tempo e dinheiro apenas fazendo publicidade, intitulando-se inovadoras, sem demonstrar ou tornar sensível essa característica à sua comunidade. Então, pergunto: Onde estão as verdadeiras empresas inovadoras brasileiras?

* É consultor em Gestão de Ideias, especialista em Gestão Empresarial e Jogos de Empresas pela Fundação Getulio Vargas e sócio-diretor da empresa de consultoria Ideias10

  •  

Deixe uma Resposta