• Postado por Tiago

CONTRA-ABRE---s---marcilio-x-caxias---serie-c---felipe-vt

Em 26 jogos no ano, Marinheiro teve menos de 30% de aproveitamento

Com o fim do futebol no Marcílio Dias em 2009, é hora de analisar os números e estatísticas que fizeram do Marinheiro um dos maiores fiascos do futebol brasileiro este ano. Além das cagadas de sempre de Crispim, Clóvis e Cia., os marujos que entraram em campo jogaram futebol como a cara deles, feio que dói, e com medinho de enfrentar qualquer adversário pela frente.

Então, o DIARINHO botou a cuca pra funcionar e fez a matemática dos rebaixamentos marcilistas de 2009, começando pelo campeonato Catarinense. No estadual, o time conseguiu somar apenas 18 pontos dos 54 possíveis. Foram cinco vitórias, três empates e incríveis 10 derrotas, ou seja, 33% de aproveitamento dos pontos disputados. O Rubro-anil ainda marcou 21 gols e viu a sua rede ser balançada 32 vezes.

Na série C do Brasileiro o desempenho foi ainda pior, muito pior. No grupo D da competição, junto com Criciúma, Marília/SP, Brasil/RS e Caxias/RS, o Marinheiro só venceu um jogo, até que com estilo. Foi em Criciúma, contra o Tigre, ao golear o time da casa por 4 a 1, na quarta rodada do primeiro turno da única fase que disputou. O resto foi uma bagaceira: nenhum empate e sete derrotas, sendo quatro, ou seja, todas, em pleno Gigantão das Avenidas. Os boleiros marcilistas marcaram 12 gols e levaram 19, acabando com um saldo de menos sete.

No total, em 2009 o time peixeiro entrou em campo pra 26 jogos, com seis vitórias (18 pontos), três empates (três pontos) e 17 derrotas. Sim, 17 derrotas em 26 partidas. O aproveitamento total foi de apenas 27%, com 33 gols feitos e 51 sofridos. Como em 2006, o Marcílio teve a capacidade de ficar em último dentre os times que disputaram a série C este ano. Com estes números, os dois rebaixamentos tavam mais do que previstos.

Impeachment perto e salário longe

O presidente do conselho deliberativo do Marcílio Dias, Aldo Correa, disse na tarde de ontem que vai marcar a reunião pra decidir sobre o impeachment do presidente Crispim somente na quinta ou sexta-feira. ?Os conselheiros que pediram a saída do Crispim têm todo o direito, não posso fazer nada. Mas o estatuto não diz nada sobre impeachment?, garante Aldo.

Por outro lado, alguns conselheiros do clube esperam até hoje pra que o presidente do conselho tome a decisão sobre a saída Crispim. Caso Aldo não confirme o impeachment, o que deve rolar, eles prometem ir à dona justa exigir a saída do mandachuva do Rubro-anil.

Outro caso que continua sem resposta concreta é o dos salários atrasados dos jogadores. O meia Rodrigo Couto diz que a diretoria deve pagar parte da grana esta semana. ?A gente acredita que esta semana saia alguma coisa?, diz o boleiro.

Clóvis x Menon

A tarde do último sábado, no Itamirim Clube de Campo, tinha tudo pra ser agradável, na Festa dos Amigos. Ao vivo do clube, a equipe da rádio Clube Bandeirantes transmitia seu programa esportivo até às 14h. O radialista Rubens Menon, coordenador de esportes da emissora, contou que foi convidado por um amigo pra bater um papo descontraído numa barraca da festa. Papo vai, papo vem, até que Menon teria sido surpreendido por uma mulher, que segurou sua cabeça por trás e disse: ?Agora, você vai passar fome. Você derrubou o Marcílio!?.

A mulher em questão era a esposa do vice de futebol do Marcílio Dias, Clóvis Forlin. Sem entender nada, Menon diz que o próprio Clóvis o encarou depois. ?Não vou mentir: estufei o peito e encarei o Clóvis, endoidei. Mas como não sou do nível dessa gente, não fiz mais nada. O que mais me irrita é que ele se escondeu atrás da mulher. Isso é covardia?, lasca o narrador.

Pra Menon, tudo foi uma armação pra ver se ele agrediria a mulher de volta. ?Eles são covardes. Como dizia a minha avó, o Clóvis não honra as calças que veste?, lasca o homem da latinha.

Clóvis não atendeu as inúmeras ligações da reportagem na tarde de ontem. A viadagem vai entrar em contato com o dirigente hoje pra ouvir a versão dele sobre o que rolou no clube da granfinada.

  •  

Deixe uma Resposta