• Postado por Tiago

O mar tem sido responsável por uma tragédia atrás da outra na região entre Barra Velha e Bombinhas. Desde o início da operação Verão dos bombeiros, quando as praias ganharam o reforço dos guarda-vidas, no mês de outubro, nove pessoas já foram vítimas das águas. Quatro delas só no feriadão de Ano Novo. O mandachuva dos vermelhinhos na região, tenente-coronel Onir Mocelin, diz que a maior responsável pelas desgraças é a falta de atenção dos banhistas. “O pessoal se arrisca muito”, lasca.

Ele comenta que o número, apesar de assustar, ainda é menor do que no mesmo período da temporada passada, quando foram registradas 13 mortes do início de outubro até 5 de janeiro. “No ano passado registramos mais afogamentos na pré-temporada”, conta. O problema, desta vez, é que o mar ficou revolto e perigoso justo na época em que o movimento de turistas é maior. “As condições do mar pioraram muito no dia 1º”, diz o tenente-coronel.

Mocelin conta que as praias consideradas mais perigosas na região são a Atalaia, em Itajaí, e a praia Central, de Navega. “A Atalaia pelo número de arrastamentos, e Navegantes pela extensão e pelo tipo de mar”, diz. Foi justo na praia dengo-dengo que rolou a única morte por afogamento em local onde tinha guarda-vidas por perto, no dia 29 de dezembro. “O pessoal ainda tava fazendo a sinalização da praia com as bandeiras quando tudo aconteceu”, afirma.

O restante das tragédias que resultou em morte rolou em locais onde não tem ninguém zelando pela vida dos banhistas, ou fora do horário de serviço dos guarda-vidas. “Estamos presentes em quase todas as praias e conseguimos sucesso em 99% dos salvamentos. Mas se a pessoa entra no mar à noite, ou numa área de costão, onde não tem cobertura, não tem o que a gente possa fazer”, afirma o tenente-coronel.

Apesar da operação Verão já estar rolando há três meses, é nesta época, em que o número de turistas pelas praias vai às alturas, que aumenta o número de guarda-vidas que tomam conta do povão. Mocelin diz que desde o dia 18 de dezembro, 270 homis tão se dividindo todos os dias em Barra Velha, Piçarras, Penha, Navegantes, Itajaí, Balneário Camboriú, Itapema, Porto Belo e Bombinhas. Ele reconhece que falta gente pra ficar de zoio nos banhistas. “Estamos no nosso limite. A maioria dos guarda-vidas tá empregada, mas nos dias de pico é complicado darmos conta de todos os pontos”, diz.

Outro problema apontado pelo tenente-coronel é a falta de estrutura. “Em Navegantes os postos tão muito longe uns dos outros. Outro afogamento com morte que tivemos, entre Penha e Piçarras, é num lugar onde o posto ainda tá sendo construído”, conta.

Tem que tomar cuidado

O número de pessoas que sissafou da morte pelas mãos dos guarda-vidas nesta temporada ainda não foi levantado. Mas o chefão dos bombeiros conta que, só em Navega, entre a praia Central e Gravatá, são em média 40 salvamentos por dia.

A dica do tenente-coronel pra quem não abre mão de um bom mergulho é ficar atento à sinalização da praia: bandeira verde é mar bom, a amarela indica atenção e a vermelha alerta que o local tem repuxo e é perigoso. Também é bom ficar sempre o mais perto possível de um posto de guarda-vidas.
Nunca entre no mar pra tentar salvar alguém que tá se afogando se não souber nadar, ou sem levar algum treco flutuante, como uma prancha, um isopor ou uma bola. O ideal, mesmo, é esperar pelo socorro.

Quem foi vítima do mar nesta temporada

02/01: José Carlos dos Santos, 57 anos. Ele pescava no costão do Estaleiro quando caiu no mar revolto

02/01: Um homem não identificado foi achado boiando perto da marina, em Porto Belo. IML confirmou morte por afogamento

02/01: O garotinho Rubens Manoel de Souza, 13, se afogou no costão da praia de Gravatá, em Navega

01/01: Maicon Pedroso, 25, sumiu no marzão da praia Brava. Foi achado dois dias depois

29/12: Anderson Panoch, 20, passou dessa pra melhor na praia Central de Navega. Ele era turista de Benedito Novo

26/12: Narcio Closinski, 27, foi levado pelo mar das Piçarras

29/11: Lucimeri Oliveira Santana, 16, caiu no mar pertinho do posto da polícia Rodoviária, em Itapema, e não resistiu

28/11: Rosenildo Lazzaretti de Oliveira, 20, morreu afogado em Barra Velha

03/11: Manoel José dos Santos, 62, turista de Curitiba, afogou-se na lagoa de Barra Velha

  •  

Deixe uma Resposta