• Postado por Tiago

autora: Ana Lavratti

Todas as manhãs, ao beijar o rosto mais macio do mundo,
agradeço a Deus pela chance, soberana, de sentir a textura da promessa.

Todas as manhãs, ao olhar a supremacia da minha obra,
ao projetar, como miragem, os talentos que vou ver emergir dali,
agradeço em inglês pela “charge”, a bateria que alimenta meu dia.

Todas as manhãs, ao abraçar os contornos da dependência,
ao vestir e alimentar quem precisa tanto de mim,
agradeço em francês pela “chaine”, o canal que permite que mesmo tendo
os pés no chão minhas mãos supliquem pertinho do céu.

Todas as manhãs, ao ouvir a voz que é instrumento divino,
dizendo preciosidades que só a inocência imaculada sabe compor,
agradeço, em alto, bom e sonoro português, pela chama da vida nova,
que permite a nós, pais presentes, protetores insistentes,
compreender a língua dos anjos e a linhagem do amor.

Que independente de idioma, os pais lembrem de agradecer aos filhos,
no seu Dia, e a cada manhã, por todos os dias em que um
descendente acrescentou mais vida à sua existência.

  •  

Deixe uma Resposta