• Postado por Tiago

Juliana: ?Como a prefeitura libera um empreendimento desse? ?

Uma obra muito suspeita de um baita condomínio residencial de Camboriú deve ser investigada pelo Ministério Público. Moradores do bairro Monte Alegre tão desconfiados que a construção chicosa tá detonando com o meio ambiente. Pra piorar, há uns três meses foi feito um muro no fim de seis ruas do bairro que está impedindo que a água da chuva escoe, o que acaba alagando residências da região.

O documento com fotos e um abaixo-assinado com mais de 50 assinaturas foram entregues, na terça-feira, à promotoria da cidade da pedra, que não tem prazo pra analisar a denúncia. No papéli foram descritos possíveis irregularidades contra o meio ambiente.

Pros moradores da região, os responsáveis pela obra instalaram uma tubulação de esgoto irregular, fizeram um rombo no morro, desmatando uma grande área de mata nativa, e construíram um muro que pode vir abaixo a qualquer momento, por que tá no pé do morro.

?Eles fizeram um corte de 90º no morro e não pode construir desse jeito. O que a gente quer é que o MP investigue, porque eu acho que algo tem de errado?, conta Arnaldo Christin Pereira, que se juntou ao povão na luta. ?Na frente tem placa com a data vencida, o prazo que tem lá é de setembro ou outubro de 2008?, acrescenta.

Foi feito um muro em torno da construção que tem bloqueado o escoamento de água no final de seis ruas do bairro. Cada vez que chove a água da chuva não tem pra onde escoar e vai parar dentro das casas da vizinhança.

A dona de casa Juliana Grah, 30 anos, moradora da baia 13 da rua Monte Lucânia, não sabe mais o que fazer pra livrar seus móveis do mar de lama e sujeira. ?Como a prefeitura libera um empreendimento desses sabendo que a gente sofre com as cheias??, questiona, indignada.

O pessoal conta que no final das ruas deveria existir uma transversal por onde escoaria a água, mas a área foi invadida pelo povão que construiu casas na área na caruda e deixou a prefa de mãos atadas. O secretário de meio ambiente, José Pedro Costa, explica que pegou o bonde andando. Quando assumiu a pasta, o rolo já estava formado e ele não pode fazer muita coisa pra ajudar os moradores.

Explica que verificou a documentação apresentada pelos construtores do condomínio e garante que está tudo em dia. ?Tem projeto do planejamento pra construção de tudo. Está tudo certo, mas realmente trouxe problema sério pros moradores que vivem no final da rua?, lamenta. Agora Zé Pedro aguarda a análise do MP e promete tomar as atitudes necessárias pra ajudar o povão.

A reportagem do DIARINHO ligou pra L. C. Costa Construções, mas ninguém quis comentar o assunto. Na matriz da empresa, que fica em Curitiba, o engenheiro Luís César da Costa foi apontado como sendo o responsável pela obra, mas até o fechamento dessa edição ele não foi encontrado pra falar sobre o rolo.

  •  

Deixe uma Resposta