• Postado por Tiago

A recepcionista Bruna das Neves, 17 anos, tá chateada com o que rolou no último domingo no supermercado Mini Preço, do bairro Fazenda, em Itajaí. A coitada foi comprar umas besteirinhas pra encher a pança e só se incomodou. Conta que a maquininha de leitura de preços, que fica nos corredores do mercado, deu um valor diferente do que constou no caixa. “Eu reclamei e o gerente não gostou. Foi grosso e disse que era pra eu provar pra ele o que eu tava falando”, conta a leitora, revoltada.

Bruna disse que o salgadinho que queria comprar custava R$ 2,29 pela maquininha. No caixa quiseram lhe cobrar R$ 3,19. A desculpa do Mini Preço foi a de que a máquina tava estragada, o que não convenceu a cliente. “Os outros produtos que eu passei estavam com os preços certos, só o salgadinho que não. E se a máquina tava estragada, por que tava ligada?”, pergunta.

Rodrigo Bucussi, procurador da Procon, disse que o fato se chama de descumprimento de oferta e a sacanagem não é permitida por lei. “Nós temos que fazer uma diligência no local pra verificar o caso”, informou. A consumidora deve procurar a Procon pra oficializar a denúncia.

O gerente do Mini Preço Fazendão não foi encontrado ontem à tarde pra comentar o caso.

  •  

Deixe uma Resposta