• Postado por Tiago

Seu Darci diz que a família é dona do terreno há 50 anos

A dona Marlene Cabral da Cunha, 65 anos, e o seu Darci Vicente Oliveira da Cunha, 63, viviam tranquilos na casa de número 5 da rua Maria Furtado Cabral, na Praia Brava, em Itajaí, até a manhã de ontem, quando uma oficial de justiça pintou no local pra anunciar que parte da casa deles seria demolida pra dar ao delegado de polícia aposentado Adesio Vieira, parte do terreno.

Adesio já ganhou na justiça parte do lote de dois outros moradores da rua, mas segundo o advogado do casal, Celso Almeida, a casa deles não faz parte do processo. ?Não existe nenhuma ação contra ela. Pra mexer com a casa dessa senhora, teria que existir outro processo?, garante o advogado.

A oficiala de justiça Denise Rechi e o delegado aposentado estiveram ontem na casa dos Cabral alegando que já tava tudo pronto pra demolição. O advogado Celso achou estranha a história e descobriu que não há nenhuma decisão pra demolição e que hoje o juiz da 2ª vara cível, Gilberto Gomes de Oliveira, que já está cuidando dos processos das outras casas vizinhas, vai dar uma inspecionada no local. A tal bizoiada deve ocorrer no fim da tarde de hoje e, diz o advogado, tá arriscado do juiz autorizar a demolição imediata.

O estranho da história, é que tanto a oficiala quanto o delegado Adésio invadiram a casa dos Cabral fazendo medições e até cravando estacas por onde supostamente passaria a cerca delimitando o terreno. Agiram como se já soubessem do resultado da decisão do juiz.

Dona Marlene conta ainda que tanto a oficiala quanto o delegado aposentado debocharam dos documentos que comprovam a posse do terreno. ?Eles riram da nossa cara, dizendo que os documentos não valiam nada?, lamentou. A casa foi construída há pouco mais de dois anos e o terreno pertenceria à família Cabral há mais de meio século

O deboche teria ido ainda mais longe. Quando dona Marlene informou que não poderiam sair dali, já que o marido Darci já teve cinco derrames e tem a saúde fraca, Adésio e Denise voltaram a tirar sarro do casal, dizendo que também iam chamar o Samu na hora da demolição.

Burocracia eletrônica

O DIARINHO ligou ontem pro fórum de Itajaí pra falar com o juiz Gilberto e a oficiala Denise. A secretária eletrônica repassava as ligações para outros números, mas as chamadas não se completavam.

Isolados

Semana passada, o juiz Gilberto Gomes mandou cercar as casas de duas famílias pra dar parte da terra onde moram pro delegado aposentado. As famílias ficaram isoladas por uma cerca de arame, sem ter sequer como sair de casa.

Os advogados das famílias tentam agora, na dona justa, um jeito para que uma passagem seja permitida para que possam sair ou entrar no terreno onde moram. ?Não é admissível que eles tenham que criar alternativas para saírem das suas próprias casas?, argumentou Celso.

  •  

Uma Resposta to “Oficiala de justiça ameaça botar abaixo casa de velhinhos mesmo sem decisão da dona justa”

  1. jader Diz:

    PARA O MUNDO QUE QUERO DESSER, PORQUE QUE CERTOS BEM ENTENDIDO CERTOS ADVOGADOS, JUIZES E OUTROS FAZEM E DESFAZEM E A CORREJEDORIA NÃO FAZEM NADAAAAAAAAAAAAAAAAAA, SENHORES PAREM PENSEM SE DER UM PIRE-PAQUE EM VOCES SABEM O QUE RESTA UMA CAIXINHA QUE PODER SER DOURO MAIS NUNCA MAIS VOLTARÃO PENSEEEEEEEEEEEE.

Deixe uma Resposta