• Postado por Tiago

 

thumbphp-21O policial civil Ademir Bras de Souza conseguiu ontem (11) que a Justa lhe desse o arrego de cumprir prisão em casa, por problemas de saúde. O vereador licenciado é um dos indiciados na Operação Arrastão, da Polícia Federal. Ele passou pelo apartamento onde mora, na rua Felipe Schmidt,  em  Brusque, para pegar objetos pessoais e voltou pra Floripa. Ademir deverá ficar na baiuca que possui na Barra da Lagoa, na capital. Ele só poderá siscapar da baia para receber atendimento médico.

Em andamento abaixo-assinado contra envolvidos

Coletar mais de cinco mil assinaturas para pressionar as otoridades, principalmente a Câmara de Vereadores, por ações mais firmes e rápidas quanto aos envolvidos na Operação Arrastão, da PF. Este é o objetivo da Comissão Brusque Unida Contra a Corrupção, formada por integrantes de entidades civis, poder público e população. O grupo se reuniu pela segunda vez na noite de ontem (11), no auditório do Sintrivest.

A coleta de assinaturas deverá se estender por várias semanas. O objetivo maior é solicitar à Câmara de Brusque a abertura de processos de cassação contra os vereadores Ademir Braz de Sousa (PMDB) e Roberto Pedro Prudêncio Neto (PDT), cujos nomes aparecem no relatório dos federais sobre o caso. De acordo com os integrantes da comissão, os fatos apresentados, principalmente os divulgados pela imprensa em nível local e estadual, por si já configurariam quebra de decoro parlamentar.

O grande ato da Comissão deverá ser um manifesto público, ou quantos forem necessários, segundo a comissão, para mostrar a indignação da população. Principalmente dos eleitores, levando-se em consideração as ações dos supostamente envolvidos e a forma como a Câmara e alguns de seus integrantes estão se portando diante do caso.

  •  

Deixe uma Resposta