• Postado por Tiago

Após seis meses de investigações, as polícias do Rio Grande do Sul e da Santa & Bela conseguiram acabar com a farra da venda de carteiras de motoristas que tava correndo solta na região da Grande Florianópolis. Pelo menos 20 pessoas foram presas nos dois estados ontem, suspeitas de participar do esquemão. Da turma que garrou a jaula, uma mulher foi presa em Palhoça, um homem em São José e outro em Itapema.

Em Santa Catarina, 40 homens trabalharam na operação, feita em parceria entre o Detran e a polícia Civil. Na operação, foram apreendidos três hds, agendas e uma montoeira de carteiras de habilitação. O delegado Maurício Eskudlark, chefe da polícia Civil catarinense, adiantou que cada carteira de motorista fria custava R$ 2 mil e eram vendidas principalmente pra analfabetos.

As pessoas eram atraídas para o Ciretran de Palhoça, que encaminhava ao Detran documentação para emissão da carteira de motorista. A documentaçaõ chegava como se os interessados tivessem realizado todas as provas para aquisição do documento. O delegadão explica que serão apurados todos os fatos e afastados os funcionários envolvidos na treta.

O delegado acredita que mais pessoas estejam envolvidas na falsificação de habilitação. As investigações prosseguem e deve ocorrer a solicitação de mais prisões temporárias. A polícia não confirmou até o final da tarde o nome dos presos e nem a quantidade de carteiras que podem ter sido comercializadas no esquemão. A grana recebida de cada carteira fria era dividida entre os integrantes da quadrilha. Além de policiais civis, despachantes também são suspeitos de envolvimento na falsificação de documentos.

  •  

Deixe uma Resposta