• Postado por Tiago

p---interna-seis-Carlos-Alberto-Oliveira-da-Cruz P---INTERNA-SEIS-SÉRGIO-CANDIDO-JUNIOR INTERNA-SEIS-MAURO-SILAS-NEVES-DE-SOUZA

Carlos, Mauro e Sérgio tavam dominando venda de porcaria

Os tiras da Diretoria de Investigação Criminal (Deic) botaram atrás das grades o traficante Sérgio Cândido Júnior, 22 anos, o Tuca. O malaco é apontado com um dos maiores fornecedores de LSD e ecstasy nas baladas de Balneário Camboriú e região. A prisão através da chamada operação Curitiba, armada para tentar acabar com a venda de drogas nas festas raves que rolam na região.

O mequetrefe também era responsável por abastecer o comércio de porcaria da região metropolitana de Curitiba, no Paraná. Com o trafica caíram Carlos Alberto Oliveira da Cruz, 24, e Marcos Silas Neves de Souza, 25, que tavam comprando a droga para distribuir no Paraná.

A prisão rolou na rodoviária de Itapema, sexta-feira, quando o trafica se preparava para fazer uma entrega de mil comprimidos de ecstasy e 200 micropontos de LSD, mercadoria avaliada em R$ 10 mil. A droga tava se preparando para abastecer uma festa rave, que seria realizada no sábado, em São José dos Pinhais, do lado de Curitiba.

O trio foi apresentado sábado em Florianópolis. Depois de prestarem depoimento foram mandados pra jaula da Deic na capital. As embalagens da porcaria tirada de circulação traziam o desenho do deus Indiano Shiva (na tradição hindu, Shiva é o destruidor, que destrói para construir algo novo). Essa seria a marca registrada de Tuca.

Convites

A polícia encontrou com os mequetrefes convites e pulseiras que davam direito a entrar sem pagar em festas que rolavam na Maravilha do Atlântico. O delegado da Deic, Alexandre Kale, explica que os traficantes compravam os comprimidos de LSD e os micropontos de ecstasy a R$ 11 a unidade, mas revendiam por até R$ 70 nas baladas, dependendo da movimentação da noite.

A operação pra prender os traficantes começou quinta-feira, quando a polícia descobriu que tava programada uma entrega de porcaria pra abastecer a festa da região metropolitana de Curitiba. Com a prisão dos traficantes, a polícia resolveu fazer um arrastão nas casas noturnas da região, mas a galera tava limpa.

Os tiras tavam na cola de Tuca fazia mais de um mês, mas somente na sexta-feira conseguiram engaiolar o safado. As investigações começaram depois que a polícia identificou que ele era o principal responsável pela venda de ecstasy e LSD no litoral da Santa & Bela. O delegado Kale explica que o desafio agora é localizar a rota que a droga fazia para chegar às mãos do traficante de Balneário.

  •  

Deixe uma Resposta