Warning: array_keys() [function.array-keys]: The first argument should be an array in /home/diariblogftp/html/wp-includes/widgets.php on line 1044
Diarinho - Diário do Litoral - Parte 589
 
  • Postado por Tiago

INTERNA-----_topo_usina-elétrica_internet

Mais da metade dos custos médios com a energia elétrica usada pelas fábricas no Brasil são de tributos. O chororô é do pessoal da associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e Consumidores Livres (Abrace) e da confederação Nacional da Indústria (CNI)

  •  
  • Postado por Tiago

O Brasil tem hoje 12 tipos de plugues e tomadas, que levam o povão a fazer gambiarras de todo o tipo

Calma, calma. Você não terá que trocar, de imediato, os plugues dos seus eletrodomésticos nem as tomadas da sua casa. A decisão dos abobrões do instituto Nacional de Metrologia (Inmetro) de que o Brasil adotará apenas dois tipos de plugues e tomadas terá uma fase de adaptação que vai durar até julho de 2011. Além disso, os sabichões do Inmetro pretendem aprovar um tipo de adaptador para que o povão possa usar seus aparelhos nas novas tomadas.

A divulgação da extinção dos 12 tipos de plugues e tomadas atualmente usados no Brasil, feita pela imprensa nacional na noite de terça-feira, assustou o povão. O pessoal do Inmetro foi pra televisão dizer que aprovou o uso de apenas dois tipos de plugues, um com dois pinos e outro com três pinos, com duas bitolas diferentes. Por consequência, as tomadas também mudarão para poder serem encoxadas pelos novos plugues.

Gustavo Kuster, chefe de divisão do programa de avaliação da conformidade do Inmetro, tranquiliza a população e garante que ninguém vai precisar desembolsar dinheiro pra fazer as adaptações imediatamente. ?Apesar dos 12 tipos de plugues diferentes e dos oito tipos de tomadas com que convivem os brasileiros atualmente, o consumidor, de maneira geral, não terá que tomar nenhuma grande atitude em um primeiro momento para trocar plugue ou tomada de sua casa, uma vez que 80% dos plugues antigos utilizados no país se conectam à nova tomada?, afirma.

Pra evitar um problemaço geral, os sabichões do Inmetro programaram a migração para o novo sistema em várias etapas. ?O que estamos fazendo é dando prazo para que os setores envolvidos deem maior segurança aos que produzem ou vendem para o consumidor?, argumenta o bagrão do órgão.

A primeira delas foi feita esta semana: assustar o povão com o anúncio das modificações. A segunda começa em 1º de janeiro de 2010. As fábricas não poderão mais montar eletrodomésticos com o plugue velho. É a partir daí que o consumidor final passará a ser afetado com a medida, já que começará a encontrar no comércio aparelhos com o novo sistema.

Em 1º de outubro termina o prazo para que os fabricantes e importadores vendam para o comércio a varejo produtos com os plugues antigos. Todos os eletrodomésticos terão que sair de fábrica modificados. As fábricas com estoques antigos terão que, obrigatoriamente, trocar os pinos.

Os comerciantes podem relaxar, porque têm até 30 de junho pra continuar vendendo fogões, geladeiras, TVs, micro-ondas e computadores com o sistema condenado pelo Inmetro. ?A partir dessa data, o comércio não poderá vender mais nenhum produto fora do novo padrão, seja ele nacional ou importado?, alerta Kuster.

Um tipo de adaptador ao novo sistema deverá ser aprovado pelo Inmetro. Mas a dica é que o povão faça a troca das tomadas que, na teoria, são mais seguras.

A razão da mudança

Há pelo menos 20 anos os sabichões do Inmetro vêm debatendo a mudança do sistema de conexão dos eletrodomésticos com a rede elétrica no Brasil. Hoje, o país tem 12 tipos de plugues e tomadas. A grande maioria deles, considerados fora de padrões mínimos de segurança.

Os novos plugues e tomadas seriam mais seguros, pois são adaptados à capacidade dos eletrodomésticos. ?São medidas que evitarão que o consumidor sofra um choque elétrico ao ligar aparelhos que geralmente descarregam corrente elétrica excedente?, argumenta Kuster, do Inmetro.

O sistema que começa a ser adotado no Brasil se adequa aos padrões internacionais de segurança. ?No Brasil, a abertura do mercado a produtos importados mostrou que a rede elétrica podia variar muito e ameaçar a segurança desses produtos?, informa oficialmente o Inmetro.

Veja o que muda no novo sistema

Os plugues com pinos chatos deixam de existir. Os aparelhos sairão de fábrica apenas com pinos redondos

Terão pinos de dois e três pinos. O terceiro pino, assim como é hoje, é para a ligação com o fio terra. Isso vai depender do tipo de aparelho e se a baia do consumidor tem aterramento. Micro-ondas, fornos elétricos e geladeiras são alguns dos eletrodomésticos que exigem fio terra

Dependendo da corrente elétrica que o aparelho precisa pra funcionar, os pinos terão grossuras diferentes. Serão dois tipos: um para equipamentos com até 10 ampéres e outros entre 10 e 20. Os eletrodomésticos têm que ter o aviso da amperagem impresso. A medida impede sobrecarga no aparelho, aumentando sua vida útil

Na maioria dos casos, o consumidor que comprar um eletrodoméstico zero bala a partir do ano que vem terá que trocar as tomadas da casa

Pra não prejudicar o povão, o Inmetro vai certificar adaptadores especiais pra quem comprou aparelho novo e ainda tem a tomada antiga ou para quem se fez casa nova, com as tomadas dentro do padrão, e ainda tem eletrodoméstico com plugues velhos

  •  
  • Postado por Tiago

INTERNA_coluna-esquerda_portonave_divulgação

Baianada veio conhecer porto dengo-dengo

O grupo TPC, da Bahia, pretende levar pro Nordeste o modelo de gestão e organização do porto de Navegantes (Portonave). Os abobrões do grupo que opera um terminal portuário e é o maior exportador de grãos do Nordeste brasileiro visitaram o porto dengo-dengo. ?A Portonave é um modelo a ser seguido?, teria dito o executivo Fernando Barros, presidente da TPC.

A Portonave comemorou esta semana dois anos de operação e movimenta uma média de 20 mil contêineres todo santo mês. Nos últimos 12 meses, a movimentação de cargas no terminal do outro lado da vala aumentou 67%.

  •  
  • Postado por Tiago

Se você é corretor de imóveis, senhorio ou inquilino, melhor ir hoje à tarde, a partir das 15h, no auditório do porto de Itajaí. A senadora Ideli Salvatti (PT) vai apresentar o projeto que está sendo debatido no senado e que muda a lei do inquilinato. Ideli integra a Comissão de Constituição e Justiça do senado e é a relatora do projeto que pretende mudar as regras para as ações de despejo, os ritos nos processos em que o dono do imóvel bota no fiofó do locatário e até nas normas para os fiadores.

A senadora vem a Itajaí a convite dos donos da imobiliária Max Imóveis. Quem quiser participar do trelelê tem que confirmar até o meio-dia através do telefone (47) 3341-3000 ou pelo e-mail karolineg@maximobiliária.com.br.

  •  
  • 22 out 2009
  • Postado por Tiago

p-tao-sem-pedra

A polí cia meteu a mão em 33 pedras do capeta em duas operações realizadas na noite de terça-feira em terras dengo-dengo e em Itajaí.

  •  
  • Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-CINCO-ABRE-p---latrocida-preso---DOUGLAS-PEREIRA-GONÇALVES.jpg-(2)

Douglas era dono da arma usada no assassinato

A equipe da investigação da central de Operações Policiais (COP), de Itajaí, mandou pro xilindró na manhã de ontem, Douglas Pereira Gonçalves, 20 anos. O malaco é apontado como o quarto bandido que torturou e matou o funcionário do Mini Preço, Edemar Nascimento, 54 anos. O coitado foi encontrado próximo às margens da BR-101, furado com seis balaços, na manhã do dia oito deste mês.

O delegado Rui Garcia dos Santos explica que Douglas tava pronto pra dar o pinote quando foi surpreendido pelos tiras da COP, na rua Teodoro Luiz Pereira, 224, no São João, em Itajaí. A polícia tava investigando o assassinato quando chegou ao nome do Douglas. Ele é apontado também como dono da arma usada pra matar Edemar. O safado vai fazer companhia pros outros trastes no cadeião peixeiro.

O corpo de Edemar foi encontrado às margens da BR-101, atrás do Mufatão, no dia oito de outubro. Os primeiros a caírem foram Jeferson Vieira da Cunha, 18, conhecido como Jefinho, e as irmãs Patrícia Regina Day, 21, e a dimenor A.M.O., 16. A prisão deles revelou que o crime foi um latrocínio ? roubo seguido de morte.

Piriguetes

A polícia apurou que Edemar tinha se enrabichado com as assassinas cerca de duas semanas antes do crime. As espertinhas tavam de olho nos malotes que o coitado transportava das filiais do Mini Preço pra matriz do mercado, no bairro Fazenda, em Itajaí. Como a vítima tava sem a grana, o quarteto resolveu dar cabo na vida de Edemar, pra não ser identificado.

No dia do crime, as gurias se encontraram com o funcionário do supermercado por volta das 19h30. O coitado foi até um mercado, comprou três cervejas e saiu com as gurias. Ao chegar perto da casa das piriguetes, o coitado foi surpreendido por Jefinho. Depois de dar umas voltas pela cidade, os bandidos resolveram dar cabo na vida do coitado.

Após matar Edemar, os bandidos ligaram pra casa dele pedindo um resgate de R$ 5 mil. Os tansos abandonaram o carro da vítima no São João, com um celular das assaltantes dentro, o que ajudou os tiras a chegar aos matadores.

No dia seguinte, a puliça pegou Jefinho na rua Teodoro Luís Pereira, no São João. Ele dedurou as sobrinhas Patrícia e A. M.O. As duas gurias fizeram a safadeza e deram no pé pra região de São João Batista, onde foram guentadas pela COP. Elas assumiram a culpa pelo crime e as investigações e depoimentos levaram ao quarto assassino, preso ontem de manhã.

Começaram cedo

As vadias tavam no mundo do crime desde novembro do ano passado, quando assaltaram um empresário em Balneário Camboriú. Elas pegaram o carro da vítima e simandaram pra Foz do Iguaçu, onde foram guentadas pela polícia. As safadas conseguiram silivrar das grades e bolaram o assalto pra cima de Edemar. Elas revelaram que já tinham ameaçado-o de morte.

  •  
  • Postado por Tiago

A bandidagem tem apavorado motoristas da Deycon, distribuidora da Philip Morris. Na manhã de ontem, mais um funcionário da empresa foi atacado em Balneário Camboriú. Os vadios simandaram com R$ 25 mil em cigarros. Este foi o terceiro ataque contra a empresa na região, em menos de três dias.

Pelas 10h, um funcionário da empresa, que não teve o nome divulgado, tava na Fiorino, placa MDD 4504, fazendo entregas no centro da Maravilha do Atlântico Sul. Num momento de descuido, foi abordado por dois vagabundos. Pelas informações repassadas pela polícia, os trastes tavam armados e obrigaram o sujeito a guiar o carango até a BR-101.

Na beira da rodovia, no principal acesso de Balneário, os putos mandaram o coitado pular fora do veículo. Embarcaram na boleia e seguiram pela BR em direção ao Itajaí.

Dentro do carango tinha uma porrada de pacotes de cigarros avaliados em cerca de R$ 25 mil. Pra vítima sobrou chamar a puliça. Até o fechamento desta edição, nem o carro ou os trastes tinham sido localizados.

Mais dois

Esta foi a terceira vez em menos de três dias que a empresa Deycon é alvo da bandidagem. Na terça-feira, os caras atacaram o carro da distribuidora da Philip Morris na avenida prefeito José Juvenal Mafra, em Navegantes. O viado obrigou o motora a pilotar até um bairro afastado e fez a limpa na carga, que também tava avaliada em R$ 25 mil.

Na segunda-feira, foi a vez de outro condutor da Deycon ser atacado em Itapema, enquanto fazia uma entrega. Ele teve que dirigir até uma estradinha do alto do morro do Boi, na divisa com Balneário. No assalto, os vadios simandaram com R$ 30 mil em cigarrinhos.

A reportagem do DIARINHO entrou em contato com a gerência da Deycon, em Florianópolis, mas o pessoal não quis comentar os crimes. Apesar do silêncio, a equipe de investigação da polícia civil já tá de olho nos casos e promete enjaular os ladrões de fumo.

  •  
  • Postado por Tiago

A viciadinha Márcia Barbosa, 28 anos, foi presa na tarde de ontem depois de meter a mão em uma de bagulho de uma loja de presentes do São Vicente, em Itajaí. Ela aproveitou que o vendedor tava atendendo pra catar a bagulhada, num total de 40 itens, desde toalha de mesa até calcinha. A espertalhona conseguiu dar no pé com os objetos dentro da bolsa, mas foi guentada minutos depois pela dona da loja, que chamou os milicos. A guria disse ao delegado que roubou pra comprar crack.

O furto rolou na Rosa Presentes, na rua Gustavo Bernedt. Márcia entrou na loja dizendo que queria comprar um produto que não tinha pra vender, mas continuou dando uma olhadinha nas mercadorias. A safada aproveitou que o vendedor foi atender outro cliente, pra passar a mão em tudo que podia. Dentro da bolsa, os policiais encontraram quatro bermudas, 12 toalhas de mesa, oito panos de prato, uma roupinha de bebê, quatro sutiãs, sete calcinhas e quatro jogos de toalhas de renda. Tudo com etiqueta.

A ladra deu no pé com a bolsa recheada da bagulhada em direção a avenida Reinaldo Schmithausen. A dona da Rosa Presentes e uma cliente saíram correndo atrás da gatuna. Elas guentaram a muié e chamaram uma baratinha da PM. Márcia foi levada pra 2ª depê, onde entregou que pretendia vender as toalhas e roupas pra comprar crack.

  •  
  • Postado por Tiago

André meteu qu atro tirombaços na vítima que morreu na hora

O julgamento do agricultor André José Cordeiro, acusado de assassinar Arnaldo Otavio Zermiani, então com 50 anos, no dia três de novembro de 2003, terminou com a condenação do réu a 18 anos de cana. Zermiani foi assassinado com quatro tiros na estrada geral do Rio do Meio, interior de Itajaí.

O crime rolou porque Zermiani teria discutido com irmão de André, D.C., então com 16 anos. O garotão teria contado ao irmão, que resolveu tirar satisfação da vítima. A família de André tinha uma plantação de arroz nos fundos da propriedade de Arnoldo, também agricultor. Para chegar até as terras, o réu passava dentro do terreno da vítima, o que nunca tinha sido problema até o dia do assassinato. A treta começou porque o irmão mais novo do réu, Divanei Arlindo Cordeiro, que na época era dimenor, entrou na propriedade de Arnoldo sem fechar a porteira. A vítima não gostou e deu um pito no gurizão, pedindo para fechar a porteira, pra evitar que os animais fugissem.

Divanei ficou revoltado com a bronca que tomou e xingou o coitado, simandando pra casa sem fechar a porteira. Como se não bastasse a malcriação, o moleque chegou em casa e reclamou para o irmão mais velho do pito que tomou de Arnoldo. André, que segundo o pessoal do bairro era metido a machão e atirador, pegou a arma sem registro que guardava na baia e saiu para encontrar o cara. Ele e o mano subiram em uma motoca e foram atrás de Arnoldo.

Os trastes viram que a caminhonete de Arnoldo tava chegando em casa e meteram a cabrita na frente do possante. A vítima desceu do carango e depois de um bate-boca André sacou a arma e meteu quatro tiros no peito do coitado, que morreu na hora. Arnoldo foi levado às pressas pelo irmão, Francisco Arnaldo Zermiani, até o hospital Marieta Konder Bornhausen, mas morreu ao dar entrada no pronto-socorro. Os mequetrefes fugiram e não foram presos, respondendo a todo o processo em liberdade.

  •  
  • Postado por Tiago

Uma mulher caiu da zica, foi atendida pelos vermelhinhos, medicada e depois fingiu que tinha sido atropelada. K.L.V., 44 anos, natural de Itajaí, deu uma de doidivanas terça-feira em Barra Velha.

Era mais ou menos seis horas da tarde, quando a muié caiu da bicicleta, na rua Marino Atanásio Pinheiro, no Icaraí. O povo que viu a coitada se estrebuchar chamou os vermelhinhos, que fizeram os primeiros atendimentos no meio da rua. Quando eles chegaram, encontraram a coitada toda lanhada, com o rosto roxo, e toda doída. A mulher recebeu atendimento, foi medicada e depois liberada.

Cerca de duas horas depois de a mulher ser medicada, os bombeiros receberam uma chamada da PM de Barra Velha dizendo que uma pessoa tinha sido atropelada por uma motoca fujona. Quando chegaram para atender a chamada, a surpresa: a mulher que tinha caído de bicicleta tinha sido atropelada por uma moto.

Desconfiados, os bombeiros foram saber o que tinha acontecido e a mulher veio com a história que tinha sido atropelada. Como não caíram no papo furado, deram uma prensa na espertalhona que contou que tinha inventado tudo.

Depois de terem uma longa conversa, eles a levaram até a casa de um parente em Barra Velha. O cabo Sikorsky, dos bombeiros de Barra Velha, disse que esse tipo de situação é rotineira com pessoas que possuem algum tipo de problema mental ou depressão.

  •  
« Página AnteriorPróxima Página »