• Postado por Tiago

belo5

Belo voltou com tudo depois de passar uns anos em cana

A nação pagodeira itajaiense tá rindo à toa. É que neste sábado, a city peixeira vai virar a capital do pagode no sul do Brasil, graças ao Festival Vulcam, que vai trazer cinco bandas nacionais e três locais do gênero musical que faz a cabeça do povão. A maratona começa às 20h e vão passar pelo palco do Centreventos, Belo, Rodriguinho, Turma do Pagode, Samprazer e Intuição; além dos grupos catarinenses Sem Abuso, Samba Bom e Delírio.

Os ingressos de pista custam R$ 20 (1º lote), R$ 25 (2º lote) e R$ 30 (3º lote). Na área VIP, os ingressos custam R$ 40 (1º lote) e R$ 50 (2º lote); e, nos camarotes, R$ 60 (piso 1) e R$ 40 (piso 2). Já quem quer encher a cara à vontade paga R$ 100 no Open Bar.

Uma super produção foi armada no Centreventos pra dar conta das nove horas de pagodeira. São dois palcos, área VIP, camarotes, open bar, bares, praça de alimentação e um reforçado esquema de segurança pra conter os baladeiros mais afoitos.

O primeiro a se apresentar é a banda local Delírio. Às 20h40, entra a banda Samba Bom, seguido da Intuição. Às 22h, começam a pintar as atrações nacionais, começando pela banda Sem Abuso, no palco dois. Às 23h, é a vez da banda Samprazer embalar a galera no palco um. À meia-noite, a Turma do Pagode sobe no palco dois.

Trabalho solo

Na boca da madruga, pintam na área dois vocalistas que partiram pra carreira solo. Primeiro vem o Belo, que retornou com a corda toda aos palcos da vida, depois de passar uns anos em cana, envolvido com tráfico de drogas. Pra fechar a bagaça, Rodriguinho solta o gogó no palco dois, já no cu da madrugada.

Belo é o nome artístico de Marcelo Pires Vieira, que estrou na carreira como vocalista da banda Soweto, em 1993. Ele já lançou nove cds, dois dvds e vendeu mais de sete milhões de cópias. Já Rodriguinho era o vocalista da banda Os Travessos, formado em 1992. Ele partiu pra carreira solo em 2004.

  •  

Deixe uma Resposta