• Postado por Tiago

Com uma produção anual de cinco mil toneladas de marisco, o que corresponde a 50% da produção total nacional, Palhoça quer transformar a maricultura de subsistência em agronegócio.  Para isso, está investindo em tecnologia e vai importar do Chile o conhecimento de mecanização de cultivo e de processamento industrial.  

A expectativa é que com a chegada da automação na criação e no beneficiamento do marisco, Palhoça passe assim a produzir 30 mil toneladas de marisco em cinco anos, três vezes mais do que a atual produção nacional e conquiste, assim, o status de ser o único município brasileiro a deter esse know how no setor da maricultura, que vai deixar de ser uma atividade de subsistência para se transformar em negócio lucrativo.  

A informação foi repassada pelo presidente da Associação dos Maricultores de Palhoça, Flávio Martins, ao prefeito Ronério Heiderscheidt.  Na primeira quinzena de julho, uma comitiva formada por engenheiros, representantes da Amaq e da Prefeitura de Palhoça viajam ao Chile e durante duas semanas devem conhecer todo o processo de automação para o cultivo e beneficiamento do marisco.

  •  

Deixe uma Resposta