• Postado por Tiago
Crédito: Juliana Guimarães/Assessoria de Comunicação do Dep. Vignatti

Crédito: Juliana Guimarães/Assessoria de Comunicação do Dep. Vignatti

O deputado federal Antônio Palocci (PT/SP), que preside a subcomissão da reforma tributária, afirmou na noite dessa quinta-feira, 6, que o projeto da reforma precisa ser aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado até o final do ano, caso contrário, terá problemas para ser votado em 2010, por conta do período eleitoral. Palocci, ex-ministro da Fazenda, esteve em Blumenau, onde falou pra cerca de 500 abobrões, empresários e lideranças comunitárias, além de prefeitos e vereadores da região do Médio Vale do Itajaí.

Para Palocci, o tamanho da carga de impostos deve ser do mesmo tamanho da oferta de serviços ao cidadão. “O aumento na arrecadação tributária no país é saudável, significa que o lucro aumentou, porque mais empresas e pessoas pagaram seus impostos. O que não pode haver é o aumento na alíquota do imposto. Isso que estamos fazendo na reforma tributária, simplificando a legislação para aumentar a arrecadação e, desta forma, poder dar 100% de crédito ao empresário para incentivar a formalização”, disse Palocci.

Para o deputado Vignatti, que preside a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, da qual o deputado Palocci é o vice-presidente, a partir da reforma será possível instituir uma nova política tributária para o país, simplificando a legislação, mas, principalmente, para implementar medidas de desoneração tributária.  “No Paraná, por exemplo, o governo do Estado isentou do pagamento do ICMS as empresas que faturam até R$30 mil/mês, dando um incentivo ao desenvolvimento da economia local”, disse o deputado.

Palocci destacou que apenas 6% da população pagam o Imposto de Renda (IR). “Imposto se fosse bom, tinha outro nome. No Brasil, o IR de pessoa física é um dos mais baixos do mundo e não dá para aumentar, porque os governos não oferecem vantagens aos cidadãos. O governo federal vai criar o cadastro positivo para empresas e pessoas que pagam as contas em dia”, disse.

  •  

Deixe uma Resposta