• Postado por Tiago

Geraldo e Mark tiveram que esperar quatro horas pra encarar uma nova viagem

O estouro numa das turbinas da aeronave PR-AZB cancelou o voo 4164 Azul que vinha de Campinas com destino a Porto Alegre, na noite de ontem. O susto rolou às 19h20, momentos antes da decolagem da aeronave. A causa da pane não foi explicada pela companhia, que cancelou a decolagem, desembarcou os passageiros e cancelou o voo.

Os passageiros esperaram por quatro horas até que um novo avião chegasse a Navegantes e seguisse viagem até Porto Alegre.

“O barulho era igual a de um pneu estourando”, relata Geraldo de Miranda Cantuária, líder de assuntos estratégicos da Amcham Brasil Campinas, e um dos 100 passageiros do voo. Geraldo conversou com a reportagem do DIARINHO por volta das 22h30, enquanto esperava a chegada de um novo avião pra seguir viagem pros pampas.

O passageiro embarcou em Campinas pra uma viagem de lazer a Porto Alegre. Até a escala em Navegantes, a viagem estava tranquila. “Os passageiros que tinham como destino em Navegantes saíram normalmente”, contou. Por volta das 19h20, os procedimentos para decolagem começaram. O avião trafegava pela pista a caminho do ponto da decolagem quando o estouro rolou. A aeronave parou imediatamente e os funcionários da Azul retiraram os passageiros.

Depois do susto, os passageiros ganharam um novo cartão de embarque, salgadinhos e bebidas para esperar um novo voo de barriguinha cheia.

Atraso de quatro horas

O DIARINHO chegou no aeroporto por volta das 22h30 e os passageiros ainda guardavam pra seguir viagem.

Mark Nilieman, 30 anos, outro dos passageiros do voo 4164 não se abalou com o susto.

“Não tenho medo. Viajo tanto que já estou acostumado”, disse Geraldo, que estava sentado na parte de trás do avião. Mesmo sendo um cara viajado, Geraldo contou que esta foi a primeira vez que teve que mudar de aeronave por causa de um problema técnico. “Já mudei de avião por problemas no banheiro”, relembra.

Barulhão não explicado

Entre os funcionários do aeroporto imperou a lei do silêncio. As atendentes da Azul falaram que não estavam autorizadas a falar sobre o problema na turbina. “Somente a assessoria de imprensa da Azul, em São Paulo, pode falar”, adiantou a moça, que se limitou a informar que o novo avião decolaria às 23h20.

Os funcionários que trabalhavam no pátio no momento do acidente estavam conversando na frente do aeroporto. A reportagem perguntou se o estouro tinha sido mesmo barulhento: “Ô”, disse um fazendo cara de susto, antes de sair de fininho.

Não é a primeira vez

O avião da Azul que faz a linha Campinas-Navegantes já deu outro susto nos passageiros. No dia 27 de maio, no voo das 6h20, a aeronave teve que ser trocada por causa de problemas nos cintos de segurança de piloto e co-piloto.

Coisas normais no dia-a-dia da aviação mas que dão aquele friozinho na barriga ainda mais depois da queda ainda inexplicada do avião da Air France.

  •  

Deixe uma Resposta