• Postado por Tiago

Tá marcada pras 15h15 de hoje a audiência conciliatória entre o vice-governador Leonel Arcângelo Pavan (PSDB) e o radialista Carlos Eduardo Mendonça Neves, o Bolinha. O tucano tá processando o comunicador e o prefeito de Balneário Camboriú, Edson Periquito (PMDB), por injúria e difamação. Apesar do papo, o advogado do caso já adiantou que o vice-governador não quer acordo.

O processo foi aberto em agosto quando Pavan se sentiu ofendido ao ouvir as declarações do prefeito e do radialista num programa de tevê. “A crítica foi pessoal, contra o vice-governador, sem qualquer oportunidade de defesa”, conta o advogado Fabiano Batista da Silva. A audiência conciliatória vai rolar na sala da segunda vara criminal. Através da assessoria de imprensa, o vice-governador disse que não vai participar e deixará Bolinha sozinho com o advogado.

O advogado responsável pelo caso já adiantou que o tucano não quer papo de amigo. O vice-governador tá tão injuriado com o caso, que não quer acordo e promete levar a treta até as últimas consequências. “Ele quer que seja penalizado o jornalista pelas palavras ofensivas à honra do vice-governador que foram propagadas pela rede de tevê”, explica o dotô Fabiano.

Sem conciliação, o processo contra Bolinha esquenta e começa a correr pra valer depois da audiência. Se a justa entender que ele cometeu injúria e difamação, poderá pegar de três meses a um ano de jaula e deverá também pagar multa de valor delimitado pelo juiz.

Ontem, a reportagem do DIARINHO não encontrou o Bolinha que não foi pra rádio Menina porque estava em viagem e com o celular desligado. Mas na semana anterior, quando rolou a denúncia, Bolinha declarou que ainda não havia sido intimado e também não tinha porque firmar um acordo, já que não tinha aprontado nada que considerasse errado. “Não tenho nenhuma possibilidade de acordo porque não tenho nada com Leonel Pavan. Não me interessa acordo com ele”, lascou.

Relembre

A treta estourou há 15 dias, depois que começou a correr um bafafá pela city que o Pavan tava processando o prefeito e o radialista porque ficou ofendido com as declarações dadas no dia 13 de maio, num programa da TV Mocinha. Pela denúncia, os acusados teriam xingado o vice-governador de rato de esgoto e covarde quando era discutida a troca de comando da polícia militar no Balneário. “Foi tentado atribuir ao vice-governador a responsabilidade pela troca do comando no município, sendo que ele nem estava aqui”, conta o dotô Fabiano.

  •  

Deixe uma Resposta