• Postado por Tiago

CAPA-ABRE-pedagio-porto-belo---foto-Felipe-VT-02

Pedágio é facada e teste de paciência

As obras que tão sendo feitas na BR-101 pela Autopista Litoral Sul, concessionária da rodovia no litoral da Santa & Bela, têm tirado a paciência dos motoras. Todos os dias as filas intermináveis, acidentes e confusões se repetem, mas a empresa não se emenda e continua botando a peãozada pra trampar nos horários de pico. O desrespeito já causou perrengues até com a polícia Rodoviária Federal, que embargou o serviço mais de uma vez por falta de sinalização e de bom senso.

Quando assumiu a rodovia, a Autopista se comprometeu a fazer uma porção de melhorias na estrada, em troca da grana alta que recebe dos motoras nas praças de pedágio. O problema é que as obras se arrastam há meses e o povão que depende da BR-101 é que acaba pagando o pato. ?A gente até entende que as obras são necessárias. Mas por que não fazem o serviço à noite??, questiona o gerente comercial Antônio Nunes, 49.

Ele viaja o estado todo representando a empresa peixeira onde trampa e tem acumulado atrasos por conta das obras. ?Na sexta-feira levei duas horas e meia de Itajaí a Joinville, uma viagem que dura no máximo 40 minutos?, reclama.

Pra completar a sacanagem, outro dia Antônio levou uma multa de mais de R$ 500 por andar com seu carro no acostamento. ?A empresa onde eu trabalho fica às margens da BR. Com as filas, não tem outro jeito de entrar se não for pelo acostamento. Já recorri da multa, mas quero ver o que vai dar?, diz.

As obras rolam de manhã e à tarde, justo nos períodos em que o trânsito é mais intenso. Só pra se ter uma ideia, ontem o pessoal da Autopista deixou o trânsito em meia-pista na ponte do rio Itajaí-açu e as filas chegaram até o posto Santa Rosa, nos Salseiros. A batata quente acaba sobrando nas mãos do pessoal da polícia Rodoviária Federal. ?Em dias em que o trânsito tá intenso a gente chega a torcer pra que chova e não tenha obras?, revelou o agente da PRF, Gilberto Teixeira.

Ele conta que, com o trampo na pista, o número de acidentes pequenos, por causa do para-anda, dobrou. ?Aumentou em 100%?, diz. Pra tentar diminuir o perrengue, a PRF tem fiscalizado o serviço da Autopista. Já rolaram embargos por falta de sinalização suficiente e de simancol, quando a fila fica grande demais. ?Já houve desobediência e precisamos levar os responsáveis pra delegacia duas vezes?, diz Gilberto.

A esperança é que até o verão, quando a BR-101 fica apinhada de turistas, o trampo já tenha terminado. ?A preocupação com o verão é grande. Esperamos uma conversa do secretário de Turismo, Gilmar Knaesel (PSDB), com o pessoal da concessionária pra ver como vai ficar a situação?, disse o presidente da federação das Empresas de Transporte de Carga da Santa & Bela, Pedro Lopes.

O gerente de operações da Autopista Litoral Sul, Cesar Sass, diz que pelo menos as obras de pavimentação terão terminado até o verão. ?As obras referentes ao pavimento estarão finalizadas até a temporada?, garantiu. Questionado sobre a possibilidade do trampo rolar durante a noite, pra não atrapalhar a vida dos motoras, o chefão diz que um ou outro serviço tem sido feito no escuro, mas diz que não dá pra transferir todo o trabalho pra noite. ?Alguns tipos de obras não podem acontecer no período noturno, como por exemplo a pavimentação, isso porque há necessidade de utilizar material asfáltico, que exige uma temperatura específica para aplicação?, lascou.

Guichês fechados, fila certa

Outra causa das filas na BR é a quantidade de guichês de atendimento nas praças de pedágio de Araquari, Porto Belo e Palhoça que ficam fechados e deixam os motoristas fulos da vida. O engenheiro responsável pelas operações disse que a Autopista coloca o pessoal pra trampar de acordo com o volume de tráfego. ?O efetivo para cada praça de pedágio é dimensionado conforme o tráfego de cada subtrecho. Nos casos de feriados prolongados ou período de verão, podemos incrementar com a venda antecipada da tarifa, o que chamamos de papa?filas?, sugeriu.

Ontem à tarde o pessoal da agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que autorizou as obras e fiscaliza a atuação da concessionária, tava aproveitando uma folguinha adiantada pelo dia do servidor público e ninguém foi encontrado pra comentar os perrengues no trecho catarinense da rodovia.

  •  

Deixe uma Resposta