• Postado por Tiago

A manhã de sábado terminou em tristeza pra família do pedreiro Robson Inocêncio da Silva, 20 anos. O coitado foi encontrado morto na estrada geral dos Caetés, em Camboriú. Ele foi vítima de um porradaço que rolou durante a madrugada, quando voltava de um bailão, e não resistiu aos ferimentos.

A história parece coisa de doido. Robson e um colega de trampo voltavam do bailão do Gustavo, que fica nos Macacos, interiorzão de Cambu, a bordo de uma motoca, na madrugada de sexta-feira pra sábado. Os dois tinham tomado uns goles a mais, e Robson pilotava a cabrita.

De repente, quando passavam pelos Caetés, o rapaz siperdeu numa curva e deu de cara num poste. O capacete, que tava frouxo, não protegeu a cabeça do coitado, que provavelmente passou dessa pra melhor na hora.

O colega dele foi lançado longe, dentro de um banhado. Ele ficou desacordado por um bom tempo, e quando despertou, por volta das 4h, percebeu que tava com um ferimento na perna, mas não sabia onde tava nem o que tinha rolado.

Como o local não tem iluminação, o cara achou que o amigo tinha simandado e tratou de andar. No meio do caminho ele conseguiu uma carona e acabou indo parar na rótula do colégio agrícola, em Cambu. De lá, avisou a família e conseguiu voltar pra casa.

Só quando acordou, no dia seguinte, resolveu ir atrás de Robson pra saber o que tinha rolado. Ele telefonou pra casa do cara, no bairro das Nações, em Balneário Camboriú, e soube que ele não tinha chegado. Foi então que resolveu procurar a delegacia da capital da pedra pra registrar o sumiço do amigo.

Os tiras avisaram a PM que Robson tava desaparecido, e os meganhas começaram a procurar o rapaz. Quando chegaram aos Caetés acharam o corpo do pobrezinho estendido no chão e avisaram sua família, que ficou inconsolável.

  •  

Deixe uma Resposta