• Postado por Tiago

INTERNA_7_abre_Leila-Mani-Carvalho--operacao-horacio-foto-divulgacao-14jul09-(1)

Leila, suspeita de integrar a quadrilha, foi guentada ontem pela polícia

Policiais da delegacia de homicídios de Forianópis fizeram uma varredura no morro do Horácio ontem pela manhã. A meta era pegar pelo cangote envolvidos com crimes violentos que rolaram na capital este ano, principalmente na região da Trindade. A polícia acredita que, com as prisões, pelo menos três assassinatos sejam esclarecidos nos próximos dias. Nove tão enjaulados. ?Os detidos também podem ter envolvimento com outros crimes como assaltos e arrombamentos?, revela o delegado Ênio de Oliveira Matos, chefe da delegacia de homicídios.

Lucas Manoel Farias, 21 anos, Roni Souza da Luz, 26, Pablo Andrei Carvalho, 18 e Leila Mani Carvalho, 22, foram levados pra depoimento na central da capital. Cinco menores com idades entre 13 e 16 anos foram entregues na delegacia do menor.

Os crimes

Uma fonte policial informou que um piá de 14 anos, detido durante o pente fino, foi reconhecido como o responsável pela morte da administradora de empresas Andréa Soncini, 42 anos. A mulher foi morta em frente à casa dos pais, na Trindade, em abril deste ano. Andréa foi abordada por dois xexelentos e levou dois tiros.

Um outro menor de 15 anos teria assumido ontem, durante seu depoimento, a autoria da morte do empresário Gildo Ovelar Ferreira. O homem foi morto dentro de seu boteco, em junho, na hora que questionava o que o menor e seu amigo iriam beber.

O terceiro caso que pode estar ligado ao grupo é a morte de John Lennon Mardendal. Ele foi morto no bairro Serrinha, em janeiro deste ano. Como o morto e o grupo preso têm rixas por conta do tráfico de drogas, a suspeita é que os integrantes da quadrilha presa ontem tenham apagado o rival. O irmão de John Lennon, um sujeito conhecido como Bigu, se diz o chefe do tráfico na Serrinha.

Só de cuequinha

A macharada presa nas celas da central de polícia da capital teve que encarar o frio na noite de segunda-feira. Após ouvirem um barulho estranho, policiais resolveram dar uma geral por temerem que a turma tivesse aprontando alguma pra siscapolir.

De cuequinha, os 26 presos foram retirados um a um das celas pra que a puliçada varresse o local pra ver o que tava rolando. Como não foi encontrado nenhum objeto estranho e nem indícios de que a rapaziada tava fazendo algum buraco, todo mundo pôde botar a roupa e voltar pro xilindró improvisado.

  •  

Deixe uma Resposta