• Postado por Tiago

Coitado era do Paraná e tava trabalhando há um mês por aqui

Uma desgraça marcou a obra de ampliação do Senai, na Barra do Rio, em Itajaí. O cabo de uma grua arrebentou e uma montoeira de ferro, pensando cerca de 300 quilos, despencou em cima de Jacir Ribeiro, 38 anos. O peão tava descarregando um caminhão e morreu na hora. O corpo foi levado pro instituto Médico Legal (IML), onde espera a chegada da família, que mora no Paraná.

A tragédia rolou por volta das 8h30, quando Jacir trampava na carroceria do bruto, descarregando ferragens no pátio da obra, que fica na rua João Napoleão de Souza, nos fundos do prédio do Senai. Os colegas de trampo de Jacir ouviram o barulho e quando olharam, o coitado já tinha partido pro andar de cima.

A grua gigante é sustentada por dois cabos, que ligam a ponta com o topo da engenhoca. Um dos cabos quebrou e todo o peso do trambolho caiu em cima do bruto. O peão não teve nem chance de se defender. O cabo tava sustentando cerca de 300 quilos, que é a metade da capacidade que ele pode segurar.

Os bombeiros de Itajaí foram chamados, mas quando chegaram ao local não tinham mais o que fazer. A empresa dispensou todos os peões e fechou as portas da obra, permitindo apenas a entrada dos peritos do Instituto Geral de Perícia e da polícia Militar, ao local do acidente.

Durante toda a manhã, engenheiros da construtora estiveram no local pra avaliar as causas do acidente. Ninguém da empresa quis falar com a imprensa sobre o assunto.

Os peões da obra contaram que Jacir trampava há um mês na empresa responsável pela construção, Conembra Construções e Obra, de Jaraguá do Sul. Ela venceu uma licitação do Senai e tá construindo um novo bloco da instituição. Os trabalhos começaram em dezembro e a previsão de entrega da obra é outubro. O bloco receberá cursos de logística pra atender a demanda do serviço na cidade.

Segundo o diretor do Senai de Itajaí, Marcos Hollerweger, além da Conembra, o Senai também contratou uma empresa que faz a fiscalização técnica da obra. ?Todas as medidas de seguranças são exigidas em contrato, assim como o uso de todos os equipamentos. O que aconteceu ali foi uma fatalidade?, opina Marcos.

O diretor diz ainda que, neste momento, a empresa presta apoio à família da vítima, pra depois apurar as causas do acidente. Um engenheiro da Conembra e da empresa fiscalizadora farão laudos sobre as causas e possíveis responsáveis pelo acidente. Um boletim de ocorrência também foi registrado na depê pra apurar o que aconteceu na obra.

  •  

Deixe uma Resposta