• Postado por Tiago

Paulo Gilberto Severino, 46 anos, empresário do ramo da pesca, tá indignado. Na terça-feira da semana retrasada, tomou um tremendo chá de cadeira, junto com seu funcionário, no pronto-socorro do hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí. O peão, mesmo acidentado, teve que esperar mais de três horas para ser atendido.

O funcionário de Paulo sofreu uma queda durante o trampo e acabou machucando a perna. Pra ter certeza de que nada grave tinha acontecido com o rapaz, o empresário o levou até o hospital e acabou ficando com a bunda quadrada de tanto esperar. “Tava um caos, lotado de gente. Perdemos muito tempo lá. É um absurdo”, reclama.

O empresário fez questão de registrar o ocorrido pra ver se a direção do hospital se coça e tenta agilizar o atendimento no pronto-socorro.

Abarrotado

Através da assessoria de imprensa, a direção do Marieta informou que na segunda e terça-feiras da semana retrasada o movimento estava acima da média no pronto-socorro do hospital, o que provocou a demora. A assessoria disse ainda que, assim como em todos os outros dias, tiveram preferência no atendimento os casos de emergência.

  •  

Deixe uma Resposta