• Postado por Tiago

INTERNA_abre_guido-mantega_agência-brasil

O ministro Guido Mantega, da Fazenda, diz que mudanças atingirão os grandes

Você tem um dinheirinho guardado na poupança e ficou alarmado com o anúncio de que o governo irá mudar as regras do mais popular investimento financeiro dos brasileiros? Então relaxe, pois nada mudará para 99% das mais de 80 milhões de cadernetas de poupanas no país.

?Nós, miseros mortais poupadores e que temos saldos até R$ 50 mil não precisamos ficar preocupados. Continuará tudo igual?, explica o economista Ricardo Castro Guedes, professor da Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Para tranquilizar ainda mais o povão, Guedes ressalta que as mudanças somente ocorrerão a partir do ano que vem.

Para o economista da Univali, é acertada a idéia do governo em cobrar o imposto de renda sobre o rendimento da poupança de grandes especuladores. O objetivo é desestimular a migração de recursos dos fundos de investimento e não provocar uma inflação pela emissão de moeda no futuro. ?É uma medida engenhosa sim, um boa sacada do governo?, avalia.

Rendimentos da poupança serão mantidos

O ministro Guido Mantega, da Fazenda, garantiu que para 2009 os rendimentos atuais da caderneta de poupança serão mantidos. Continua valendo a taxa referencial (TR) mais 0,5% ao mês. Isso dá um 6,17% ao ano para a poupança, que, até dezembro, continurá isenta do imposto de renda. ?Todos os poupadores continuarão com os mesmos rendimentos este ano. Não se mexe na poupança em 2009?, prometeu Mantega.

O que mudará

Quem tem mais de R$ 50 mil na caderneta de poupança terá taxado somente o rendimento além daquele valor. Isso significar dizer que não será cobrado imposto sobre o que o dinheiro investido na poupança e sim sobre o que ele rendeu. Além disso, o imposto não vai incidir sobre a TR. Por isso, a medida não será tão traumática como se temia.

Mas isso somente acontecerá se a taxa Selic, principal índice regulador dos juros no Brasil, ficar menor que 10%. Atualmente, ela está fixada em 10,25%.

Fundos de renda fixa são alternativas

?Se as taxas de administração de Fundos não sofrerem aumento, continuará sendo vantajoso investir nos Fundos de renda fixa e variável, pois vão manter-se estáveis?, analisa o professor da Univali. ?Vamos reduzir o imposto de renda para estas aplicações de modo que os investidores não sejam estimulados a migrar para a poupança. Eles perdem o rendimento da Selic e nós atenuamos essa perda com a diminuição do IR?, explicou.

Com a diminuição do imposto sobre os fundos de renda fixa, o governo estima perder algo em torno de R$ 3,5 bilhões em 2009. Por outro lado,ao reduzir a taxa Selic, o governo economiza aproximadamente R$ 11,5 bilhões de gastos com juros de títulos públicos já emitidos.

  •  

Deixe uma Resposta