• Postado por Tiago

Os pescadores de Itajaí que tão descontentes com a atividade e querendo mudar a modalidade de sua carteira profissional pra virar marinheiro não tão conseguindo. O pescador M.J.S. procurou o DIARINHO pra dizer que a Capitania dos Portos, que é quem autoriza a mudança, tá sendo pressionada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Pesca (Sitrapesca) a não liberar o documento com medo que falte mão de obra na praça.

M. diz que ele e outros colegas estão tentando um carimbo na carteira que permite que eles trampem nos rebocadores das plataformas de produção de petróleo, o chamado off shore. O problema é que a Capitania não tá liberando a mudança e não esclarece o motivo da negativa.

O pescador diz que tá perdendo a oportunidade de fazer os cursos que tão rolando em Floripa. Diz que geralmente os cursos pra trabalhar nos rebocadores são feitos em Macaé, no Rio de Janeiro. Sem a autorização da Marinha, não dá pra fazer a capacitação. M. J. S. afirma que a Capitania não consegue explicar porque, na verdade, tá sofrendo pressão do Sitrapesca, que tá com medo de ficar sem pescadores. Acontece que o trabalho na plataforma é mais leve e os salários são maiores.

Manoel Xavier de Maria, o Manequinha, presidente em exercício do Sitrapesca, diz que o pescador tá viajando na maionese. “Eu reconheço que o trabalho na pesca é mais difícil e tem menos benefícios. Não tem pressão nenhuma da nossa parte, até porque os barcos tão devagar e não vai faltar pescadores”, disse Manequinha.

Na capitania dos Portos ninguém quis comentar sobre a denúncia do pescador.

  •  

Deixe uma Resposta