• Postado por Tiago

A temporada de pesca da tainha tá trazendo mais treta do que peixe pros lados de Bombinhas. Ontem de manhã, dois grupos de pescadores caíram na porrada porque se acharam os donos da praia. Foi preciso a delegada da city pintar na área e levar cinco dos briguentos pra depê, pra botar ordem na confusão.

O rolo já se arrasta há alguns dias. Como a pesca da tainha tá bombando na região de Bombinhas, os pescadores, que tão doidos pra rechear os bolsos com uns trocados e encher a pança com o saboroso peixinho, não querem saber de repartir o lucro.

O centro da confusão é a praia da Tainha, onde tem aparecido peixe a rodo. Dois grupos de pescadores botaram na cachola a ideia de que são donos da área, e proíbem qualquer um de jogar a rede por ali. Ontem, as turminhas se estranharam e sobrou farpa pra todo lado.

Depois de muito bate-boca, um dos pescadores briguentos, que não teve seu nome revelado pela polícia, procurou a delegacia, por volta das 9h da manhã, e contou sua versão da história pros homisdalei.

Mas mal ele saiu da depê, um membro da gangue adversária também apareceu e registrou um boletim de ocorrência relatando a brigaceira. A delegada Mareci Angonese teve um plá com os homens do mar, e tentou acalmar os ânimos dos dois.

Não adiantou nadica. Assim que voltaram pra praia, os dois pescadores, e outros três que tavam dando sopa por ali, se pegaram no tapa. Foi uma coisa medonha de se ver. Era um tal de empurra daqui, arranha dali, que fez voar areia pra todo lado.

A polícia militar foi chamada pra acabar com o arranca-rabo. Assim que soube do perrengue, a delegada Mareci também resolveu dar as caras na praia e encerrar a confusão. Ela botou os cinco doidos numa baratinha e mandou todo mundo pra delegacia.

Lá, deu uma mijada nos pescadores e explicou que ninguém é dono de praia nenhuma. Depois, carcou um termo circunstanciado na turminha, pela agressão, e mandou o pessoal pra casa. Nos próximos dias, eles deverão ser chamados pelo ministério público pra explicar por que tão se desentendendo pelo espaço no marzão.

  •  

Deixe uma Resposta